PCP avisa Governo que não pode continuar a adiar negociações na saúde

A deputada do PCP, Carla Cruz, avisa o Executivo de António Costa que "não pode continuar a adiar a negociação com as estruturas representativas dos trabalhadores"

O PCP avisou hoje o Governo de que não são admissíveis mais adiamentos de negociações com os profissionais de Saúde e que "é urgente a inversão do rumo".

"O Governo não pode continuar a adiar a negociação com as estruturas representativas dos trabalhadores. Cada dia que adia a concretização das justas reivindicações dos profissionais de saúde é mais um dia que contribui para a fragilização e diminuição da resposta pública", disse hoje no parlamento a deputada comunista Carla Cruz.

Também o BE exige que o Governo comece a negociar de forma séria com os profissionais de saúde, lembrando que o Ministério da Saúde tem sido acusado de "fazer das negociações um simulacro"

O plenário da Assembleia da República está hoje a debater, a pedido do PCP, as políticas de saúde, nomeadamente no que respeita às reivindicações dos profissionais e à carência de pessoal no Serviço Nacional de Saúde.

Também o Bloco de Esquerda exige que o Governo comece a negociar de forma séria com os profissionais de saúde, lembrando que o Ministério da Saúde tem sido acusado de "fazer das negociações um simulacro".

"O senhor ministro continua a protelar negociações. A sua política começa a parecer-se em demasia com a política do anterior governo e isso é perigoso para o Serviço Nacional de Saúde (SNS)", afirmou o deputado Moisés Ferreira, considerando que "ser Centeno é ser contrário ao SNS".

A propósito da referência ao ministro das Finanças, Mário Centeno, o Bloco de Esquerda perguntou ao ministro Adalberto Campos Fernandes se "vão continuar a deixar que seja o ministro das Finanças" a negociar por ele as políticas de saúde.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...