PCP avisa Governo que não pode continuar a adiar negociações na saúde

A deputada do PCP, Carla Cruz, avisa o Executivo de António Costa que "não pode continuar a adiar a negociação com as estruturas representativas dos trabalhadores"

O PCP avisou hoje o Governo de que não são admissíveis mais adiamentos de negociações com os profissionais de Saúde e que "é urgente a inversão do rumo".

"O Governo não pode continuar a adiar a negociação com as estruturas representativas dos trabalhadores. Cada dia que adia a concretização das justas reivindicações dos profissionais de saúde é mais um dia que contribui para a fragilização e diminuição da resposta pública", disse hoje no parlamento a deputada comunista Carla Cruz.

Também o BE exige que o Governo comece a negociar de forma séria com os profissionais de saúde, lembrando que o Ministério da Saúde tem sido acusado de "fazer das negociações um simulacro"

O plenário da Assembleia da República está hoje a debater, a pedido do PCP, as políticas de saúde, nomeadamente no que respeita às reivindicações dos profissionais e à carência de pessoal no Serviço Nacional de Saúde.

Também o Bloco de Esquerda exige que o Governo comece a negociar de forma séria com os profissionais de saúde, lembrando que o Ministério da Saúde tem sido acusado de "fazer das negociações um simulacro".

"O senhor ministro continua a protelar negociações. A sua política começa a parecer-se em demasia com a política do anterior governo e isso é perigoso para o Serviço Nacional de Saúde (SNS)", afirmou o deputado Moisés Ferreira, considerando que "ser Centeno é ser contrário ao SNS".

A propósito da referência ao ministro das Finanças, Mário Centeno, o Bloco de Esquerda perguntou ao ministro Adalberto Campos Fernandes se "vão continuar a deixar que seja o ministro das Finanças" a negociar por ele as políticas de saúde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.