PCP antecipa "tempestade de trânsito caótico" nos próximos meses em Lisboa

Carlos Silva Santos, criticou, numa reunião na Assembleia Municipal de Lisboa, a falta de investimento nos transportes públicos da cidade

O PCP criticou, esta quarta-feira na Assembleia Municipal de Lisboa, a falta de investimento nos transportes públicos da cidade, considerando que isso, conjugado com obras de repavimentação, é "mau pronuncio da tempestade de trânsito caótico" dos próximos meses.

Falando no período de declarações políticas da reunião de Assembleia Municipal de hoje à tarde, o eleito do PCP Carlos Silva Santos disse que Lisboa "vai entrar no outono/inverno 2016 com mais e melhores pavimentos, depois de anos de um abandono intolerável".

Porém, esta "intervenção intensiva e alargada", que está a ser feita pela autarquia em vários arruamentos da cidade, "estranhamente não está a ser acompanhada por uma melhoria dos transportes públicos", observou Carlos Silva Santos.

É um mau pronúncio da tempestade de trânsito caótico que nos espera este Inverno

Referindo-se às empresas de transporte público que operam na cidade, Carlos Silva Santos apontou que "o Metropolitano não apresenta uma só melhoria, antes pelo contrário".

"Tornou-se usual pedir desculpa pelos incómodos causados, parece uma lengalenga", assinalou.

Também a rodoviária Carris se tem pautado pela "irregularidade das carreiras", enquanto a Transtejo tem tido "problemas de frotas", queixou-se ainda.

Por seu lado, "a Soflusa "continua a suprir carreiras fluviais", adiantou.

Para Carlos Silva Santos, é, por isso, "necessário e urgente garantir uma alternativa de mobilidade" ao transporte individual.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...