Paulo Rangel pede demissão de secretário de Estado por causa da Caixa

Eurodeputado do PSD considera que Mourinho Félix deve "assumir as consequências políticas" de ter enviado António Domingues a Bruxelas antes de este deixar o BPI

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel pediu hoje a demissão de Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado do Tesouro, devido à mais recente polémica relacionada com a Caixa Geral de Depósitos, ou seja, a ida de António Domingues, atual presidente do banco público, a Bruxelas para reuniões com a Comissão Europeia quando ainda era administrador do BPI.

"Só resta ao responsável que o Governo designou para gerir esta pasta, o Secretário de Estado Ricardo Mourinho Félix, assumir as consequências políticas deste ato", escreve Paulo Rangel no Facebook, considerando que o que aconteceu "é totalmente contrário à transparência, à ética republicana e é revelador da enorme falta de consideração que este Governo tem pelos contribuintes".

Na quarta-feira, a Comissão Europeia confirmou ter-se reunido com o atual presidente da CGD para debater a recapitalização do banco público quando este ainda não tinha sido nomeado para o cargo e pertencia ainda aos quadros do BPI.

Mourinho Félix assumiu hoje que decorreram três encontros, mas negou hoje que António Domingues estivesse na posse de informação privilegiada sobre a Caixa Geral de Depósitos.

"Perante o reconhecimento público feito pelo Secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e Finanças de que o Governo português mandatou um administrador de um banco privado para negociar o futuro da Caixa Geral de Depósitos", Paulo Rangel pede a sua demissão.

Já antes, numa outra publicação no Facebook, o eurodeputado exigira esclarecimentos ao primeiro-ministro António Costa. "Que papel teve ele no acordo para a isenção de obrigação de entrega da declaração de rendimentos? E agora, com esta novo esclarecimento, como mandatou alguém para negociar a recapitalização da Caixa quando esse alguém era ainda administrador de outro banco e nem sequer tinha garantido que aceitaria o futuro cargo na Caixa?", questiona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.