Paulo Rangel pede demissão de secretário de Estado por causa da Caixa

Eurodeputado do PSD considera que Mourinho Félix deve "assumir as consequências políticas" de ter enviado António Domingues a Bruxelas antes de este deixar o BPI

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel pediu hoje a demissão de Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado do Tesouro, devido à mais recente polémica relacionada com a Caixa Geral de Depósitos, ou seja, a ida de António Domingues, atual presidente do banco público, a Bruxelas para reuniões com a Comissão Europeia quando ainda era administrador do BPI.

"Só resta ao responsável que o Governo designou para gerir esta pasta, o Secretário de Estado Ricardo Mourinho Félix, assumir as consequências políticas deste ato", escreve Paulo Rangel no Facebook, considerando que o que aconteceu "é totalmente contrário à transparência, à ética republicana e é revelador da enorme falta de consideração que este Governo tem pelos contribuintes".

Na quarta-feira, a Comissão Europeia confirmou ter-se reunido com o atual presidente da CGD para debater a recapitalização do banco público quando este ainda não tinha sido nomeado para o cargo e pertencia ainda aos quadros do BPI.

Mourinho Félix assumiu hoje que decorreram três encontros, mas negou hoje que António Domingues estivesse na posse de informação privilegiada sobre a Caixa Geral de Depósitos.

"Perante o reconhecimento público feito pelo Secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e Finanças de que o Governo português mandatou um administrador de um banco privado para negociar o futuro da Caixa Geral de Depósitos", Paulo Rangel pede a sua demissão.

Já antes, numa outra publicação no Facebook, o eurodeputado exigira esclarecimentos ao primeiro-ministro António Costa. "Que papel teve ele no acordo para a isenção de obrigação de entrega da declaração de rendimentos? E agora, com esta novo esclarecimento, como mandatou alguém para negociar a recapitalização da Caixa quando esse alguém era ainda administrador de outro banco e nem sequer tinha garantido que aceitaria o futuro cargo na Caixa?", questiona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.