Paulo Rangel: "O PCP nem sequer tem uma visão democrática"

Foi eleito um dos dez vice-presidentes do Partido Popular Europeu (PPE) e considera que um governo de esquerda é "fraude eleitoral". Rangel em entrevista ao DN

Foi hoje eleito vice-presidente do PPE. O que significa para Portugal ocupar este cargo?

É muito importante porque isto permite que Portugal tenha, especialmente nas cimeiras do PPE, uma dupla voz. E há aqui um reforço porque sou simultaneamente vice-presidente do grupo parlamentar, o que permite fazer uma ligação nos dois polos mais importantes do partido. A minha principal tarefa será assegurar a ligação entre essas duas estruturas.

Um dos temas deste congresso foi as migrações. Como é que o PPE lida com atitudes heterogéneas que vão desde a abertura de fronteiras de Angela Merkel até Órban que dá ordens para disparar sobre refugiados?

A minha posição está muito em linha com a de Angela Merkel, que é lutar para que a posição do PPE seja de grande abertura, de que a Europa tem capacidade plena para aceitar refugiados e cada país deve aceitar uma quota-parte das responsabilidades. Aí nem sequer vou tentar fazer pontes. Vou é tentar fazer pender uma posição do PPE para uma posição de grande abertura. Vamos ter de integrar muitos mais refugiados do que os que estão previstos.

Não incomoda Victor Órban fazer parte dessa discussão?

Incomoda. Não escondo que as atitudes de Vítor Órban são atitudes que devem ser denunciadas. E julgo que temos aqui alguma margem para influenciar o seu comportamento. E, portanto, há uma situação de incómodo de ele estar presente, mas também há a vantagem de podermos influenciar e atenuar algumas das posições mais negativas.

Leia a entrevista completa na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.