Paulo Rangel defende oposição do PSD "mais agressiva ao Governo"

Eurodeputado defende ainda em entrevista que o PSD não deve esperar nada do Presidente da República

O eurodeputado Paulo Rangel defendeu que o congresso do PSD do próximo fim de semana tem de "ser o ponto de arranque para uma oposição mais agressiva ao Governo, sem esperar por eventuais ajudas" de Belém.

Em entrevista ao jornal Público em vésperas do congresso do PSD, que se realiza entre sexta-feira e domingo em Espinho, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel disse que "está nas mãos dos congressistas e também da liderança fazer do congresso o momento de retoma de uma oposição mais agressiva, que já poderia estar em marcha desde a eleição do Presidente da República".

De acordo com o eurodeputado, o congresso devia marcar o início de uma intervenção reforçada por novas caras e com nova agenda.

"Precisamos de duas coisas: de um conjunto de rostos que falem pelo partido e que, em certo sentido, poupem o próprio líder a uma intervenção quase diária; de uma agenda reformista, que eu concentraria num ponto, que até tem que ver com uma certa autocrítica sobre aquilo que foram os nossos últimos quatro anos e meio", declarou.

No entender de Paulo Rangel, "é preciso reativar um conjunto de porta-vozes, para que as intervenções do líder sejam valorizadas em função da diferente gravidade dos assuntos".

"Este é um aspeto importantíssimo que exige a renovação da equipa, porque implica trazer rostos novos. Não sei se é um 'Governo-sombra', se é uma equipa de porta-vozes. Serão pessoas que têm uma história no PSD recente ou que não têm estado tão envolvidas politicamente e há ainda outras que têm de ser recuperadas", salientou.

Questionado sobre se Pedro Passos Coelho é o homem certo para essa reinvenção do partido, o eurodeputado, professor e advogado sublinhou ser "bom que alguém que foi líder e que foi primeiro-ministro possa continuar a ser líder e vir a ser primeiro-ministro".

"É essa a tradição em muitos países e é essa a tradição portuguesa. Sá Carneiro, Freitas do Amaral e Mário Soares perderam as eleições e ninguém se lembrou de os pôr em causa. No caso de Passos Coelho, até ganhou as eleições(...)", disse, na entrevista ao Público.

Na opinião do eurodeputado, "é preciso um novo fôlego para um novo tempo", defendendo que a"retoma já deveria estar em marcha pelo menos desde as presidenciais".

No que diz respeito ao congresso, Paulo Rangel disse que se deve apostar "na ideia de mobilidade social, que deve ser o transporte ou a alavanca para esta fase do século XXI"

"A outra ideia passa por trazer para o partido aqueles portugueses que emigraram nos últimos cinco anos (...). Mas, para isso, tem de haver uma secretaria-geral do partido a incentivar", disse.

Questionado sobre se a coabitação entre um Governo PS e um Presidente da República que é do PSD não pressiona o próprio partido a fazer uma oposição de uma maneira diferente, Paulo Rangel disse que a "variável presidencial é uma variável independente".

"O PSD não deve pedir, nem esperar nada do Presidente. O Presidente tem de fazer aquilo que lhe compete. Não temo de esperar nada do Presidente. Nem nós, nem o PS", realçou.

Na entrevista, Paulo Rangel afastou uma eventual candidatura à liderança do PSD em 2017, salientando "haver muita gente para isso.

"Nós precisamos neste momento de mais porta-vozes, de mais quadros, agora de eventuais candidatos a líder não temos falta. Há gente com valor para isso", sublinhou.

O eurodeputado do PSD considerou também que o antigo autarca do Porto Rui Rio seria um bom candidato à liderança do partido em 2017.

Questionado sobre se Rui Rio deveria ir ao congresso do partido - o que já disse não irá fazer -, Paulo Rangel respondeu:"vou ao congresso dizer o que penso. Se outros acham que não devem ir, é um problema deles".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.