Paulo Rangel afirma que caso de Durão Barroso prejudica... Guterres

Eurodeputado do PSD diz estar preocupado com a "coincidência de datas" entre a polémica de Barroso com a União Europeia e a candidatura de António Guterres à ONU

O eurodeputado social-democrata Paulo Rangel sugeriu hoje que o caso criado em torno da contratação do ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso pelo banco Goldman Sachs Internacional (GSI) prejudica a candidatura de António Guterres à ONU.

"Há um aspeto que me preocupa", disse Paulo Rangel, referindo-se à "coincidência de datas" com a promoção da candidatura, pela Comissão Europeia, da búlgara Kristalina Georgieva a secretária-geral da ONU, cargo a que o ex-primeiro ministro português António Guterres também concorre.

Paulo Rangel disse ainda que o apoio público manifestado pelo chefe de gabinete do atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker a uma eventual candidatura de Georgieva coincide com a tentativa de "enfraquecer uma candidatura portuguesa [à ONU], que é neste momento a mais forte".

A ideia é destruir um pouco a posição portuguesa

A Comissão Europeia "tomou a iniciativa de encorajar uma candidatura da senhora Georgieva e na mesma semana existe a tentativa de procurar apoucar a imagem de um português que teve, até agora, o cargo internacional mais relevante nas vésperas de outro português ter outro.

"A ideia é destruir um pouco a posição portuguesa", disse, negando, no entanto a hipótese de um complô.

"Podemos não concordar com os regulamentos e mudá-los, mas não aplicar regras retroativas. Há aqui uma total discriminação, um tratamento diferenciado que é inaceitável", salientou, comentando a decisão de Juncker face a Barroso, que considera ser "discriminação negativa"

"Já vimos episódios destes com Mário Monti, com Romano Prodi, com Nellie Kroes e com tantos outros e que após um período de nojo foram para atividades privadas e, nalguns casos, na mesma empresa em que está Durão Barroso e não houve nenhuma destas reações", lembrou.

Entretanto, o Governo da Bulgária afirmou hoje que a candidatura da diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, ao cargo de secretário-geral da ONU se mantém, afastando rumores sobre a sua substituição iminente pela comissária europeia Kristalina Georgieva.

"Desejo sucesso a Bokova [na próxima votação informal do Conselho de Segurança] em 26 de setembro", declarou no início de uma reunião governamental o primeiro-ministro búlgaro, Boiko Borissov, que também prometeu à diretora-geral da Unesco "apoio total do Governo e da diplomacia" búlgaras.

Qualquer funcionário da UE que mantiver contactos com Durão Barroso será obrigado a inscrever esses contactos no registo

Jean-Claude Juncker, anunciou que vai examinar o contrato do seu antecessor com o GSI e deu já instruções ao seu gabinete para tratar Durão Barroso como qualquer outro lobista com ligações a Bruxelas.

Qualquer comissário europeu ou funcionário da UE que mantiver contactos com Durão Barroso será obrigado a inscrever esses contactos no registo de transparência e a manter notas sobre os mesmos.

Esta decisão de Juncker responde à provedora de justiça europeia, Emily O'Reilly, que na semana passada pediu esclarecimentos sobre a posição da Comissão Europeia face à nomeação de Durão Barroso para administrador não-executivo no GSI, sendo ainda consultor da empresa para o 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).