Patrões recusam aumento do salário mínimo para 530 euros

A CIP vai propor um valor inferior aos 530 euros do Governo, mas não revela qual. E espera "abertura" de Costa para o "diálogo"

O presidente da CIP - Confederação Empresarial de Portugal afirmou hoje que vai propor na reunião de concertação social um aumento do salário mínimo para um valor inferior aos 530 euros propostos pelo Governo, escusando-se a revelar o montante.

"Já fizemos as contas. Com base nos indicadores de produtividade, crescimento da economia e inflação, que são facilmente demonstráveis e mensuráveis, encontramos (...) um valor que é inferior aos 530 de que o Governo vem falando", afirmou António Saraiva, quando questionado pelos jornalistas à margem de um pequeno-almoço debate, em Lisboa, com o tema "O que a CIP quer do novo Governo".

No entanto, António Saraiva escusou-se a revelar o valor exato, afirmando apenas: "Todos os parceiros têm a capacidade de trazer os seus cálculos e de demonstrar o racional dos números que apresentem. Nós apresentaremos os nossos, o Governo já apresentou o seu e os sindicatos apresentarão o seu racional de aumento".

Os parceiros sociais reúnem-se na quinta-feira pela primeira vez com o novo Governo do PS, num encontro em que o aumento progressivo do salário mínimo nacional deverá estar em cima da mesa.

António Saraiva lembrou hoje que a CIP vai "validar seguramente" uma posição para um acordo que existe sobre o salário mínimo que termina no final deste ano.

"Admito que o salário mínimo se possa discutir para uma legislatura, com escalonamento ano após ano, mas sempre com base em critérios objetivos [produtividade, crescimento da economia e inflação], mas também tendo em conta os custos de contexto [caso da diminuição da burocracia e da redução dos custos da energia]", afirmou.

"A minha expectativa é a de que o Governo traga abertura neste início de diálogo com os parceiros sociais para podermos ter um diálogo franco e construtivo naquilo que importa às atividades económicas e que gere estabilidade e confiança", disse António Saraiva.

Para o líder da CIP, a concertação social deve ser entendida "como um local próprio" para o tratamento das questões da competitividade da economia, além de privilegiar "a estabilidade laboral e fiscal".

"Queremos que o Governo discuta connosco e se comece a desenhar um novo acordo para a concertação social, por forma a melhorar os fatores de competitividade da economia e para gerarmos crescimento económico, que é a solução para todos os nossos problemas", concluiu.

O ponto único da reunião de concertação social de quinta-feira é a apresentação do Programa do Governo, do qual consta a proposta de aumento do salário mínimo nacional até 2019, e debate da agenda da concertação social.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou no parlamento, na sessão de abertura da discussão do programa do XXI Governo Constitucional, que irá discutir o aumento progressivo do salário mínimo nacional para os 600 euros durante a legislatura (dos atuais 505 euros para 530 euros em 2016, 557 euros em 2017 e 580 em 2018) nesta reunião de concertação social.

O pequeno-almoço foi organizado pela Câmara Luso-Francesa, com apoio das Câmaras Luso-Alemã, Luso-Belga-Luxemburguesa e Luso-Japonesa e da ANJE -- Associação Nacional dos Jovens Empresários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.