Passos não será "cúmplice" do governo. "Prefiro salvar o país do que salvar a pele"

Presidente do PSD adverte que há "riscos" de "novos sacrifícios" e não quer ter nada a ver com a governação de esquerda

Passos Coelho acredita que a atual "solução de governo está esgotada" e avisa que não será "cúmplice de uma solução em que o país tenha de passar por novos sacrifícios apenas para satisfazer um problema de sobrevivência política". No encerramento da Universidade de Verão, o líder do PSD volta a dar a entender de que não entrará em qualquer negociação quanto ao Orçamento do Estado.

Sem acenar diretamente com o fantasma de um novo resgate, como fez a sua vice-presidente Maria Luís Albuquerque numa aula na mesma "universidade", Passos defende que o atual governo está a "empurrar o país para o passado" e falou em "riscos que estão a ser tomados", "resultados que inspiram preocupação" e num governo "condenado ao fracasso e ao fiasco".

O líder da oposição quer que, no futuro, os que agora governam não possam "responsabilizar o PSD pelos resultados", já que o governo socialista "concentra-se na governação a curto prazo, no imobilismo e tem uma incapacidade de encontrar entendimentos para reformas que têm de ser feitas". Passos dá assim a entender que não quer sequer negociar o sentido de voto ou elaboração do Orçamento do Estado para 2017.

Passos disse ainda, perante os jovens do PSD, que é tempo de afastar o "espantalho da austeridade", já que esta não é da responsabilidade do PSD. E até pode estar mais próxima do que se pensa. Numa acusação ao governo, Passos afirma que "andaram a dizer que iam acabar com a austeridade e agora não têm dinheiro para pagar aos fornecedores de saúde ou às associações culturais".

O líder do PSD acredita que para evitar novos sacrifícios são necessárias reformas, acusando o atual governo de não ter "capacidade reformista", pois "sempre que tentam reformar, desentendem-se" e "só estão de acordo para reverter reformas que fizemos".

Apesar de denunciar um governo que debilita a imagem do país, Passos dá um sinal de calma para consumo interno do partido: "Não temos pressa de chegar ao governo para nos desforrarmos". Recordando os tempos em que disse "que se lixem as eleições", Passos afirmou que continua a preferir "salvar o país do que salvar a pele". E garantiu: "Nunca nos ouvirão dizer, que se lixe o país".

Passos aconselhou ainda os jovens do PSD, dizendo que "se tiverem de escolher entre o que parece certo e um resultadozito na eleição seguinte, escolham sempre o que vos parece certo". Antes do líder do PSD, também falou o presidente da JSD, Simão Ribeiro, que também deixou duras críticas à governação socialista: "O primeiro-ministro António Costa está a mais na política portuguesa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.