Passos Coelho diz que desconfiança explica "mau desempenho" do Governo

"Muitas pessoas tiveram receio e desconfiança da solução adotada", disse o líder social-democrata

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "mau desempenho", que na sua opinião pode ser explicado com a desconfiança de "muitas pessoas" relativamente à atual solução governativa.

"Muitas pessoas tiveram receio e desconfiança da solução adotada", disse Pedro Passos Coelho, em Arganil, durante um jantar de apresentação dos principais candidatos do PSD aos órgãos autárquicos deste município do distrito de Coimbra.

Insistindo no alegado insucesso do executivo de António Costa, apoiado no parlamento pelo PS, BE, PCP e Verdes, comparou a recuperação económica de Espanha, Irlanda e Chipre, "que passaram por dificuldades", à atual situação de Portugal.

Trata-se de países cujas economias crescem "mais do que a nossa e atraem mais investimento do que a nossa", sublinhou Passos Coelho.

"Porque é que nós não conseguimos fazer isso?", perguntou, procurando também explicar "porque que é que ao longo do último ano as coisas afrouxaram" na economia portuguesa.

A título de exemplo de um alegado retrocesso nos resultados da governação do PS, relativamente ao executivo de coligação do PSD com o CDS, entre 2011 e 2015, Pedro Passos Coelho deu o exemplo da Educação.

"A extrema-esquerda não gosta da exigência, da disciplina e da avaliação", preferindo "a balbúrdia nas escolas", acusou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.