Governo "meteu férias" e deixou Marcelo a "dar cara" por Pedrógão e Tancos, diz Passos Coelho

"Primeiro-ministro devia olhar com mais atenção para os aliados que escolheu para governar", diz o líder do PSD

O líder do PSD devolveu esta terça-feira as acusações de falta de sentido de Estado ao PS, salientando que o Governo "praticamente meteu férias" e deixou o Presidente da República "a dar a cara pelos problemas" de Pedrógão e Tancos.

No final de uma ação de campanha autárquica com o candidato do partido à Câmara de Águeda, Passos Coelho foi questionado sobre as críticas que lhe foram feitas pelo secretário-geral do PS, António Costa, na segunda-feira à noite em Loures, quando disse que o PSD "perdeu o sentido de Estado" e que este "não é o PSD que os portugueses e as portuguesas conheceram".

"Em matéria de sentido de Estado, o primeiro-ministro devia olhar com mais atenção para os aliados que escolheu para governar", afirmou Passos Coelho.

E depois do que aconteceu este verão, quer com Pedrógão quer com Tancos, ver um Governo que praticamente meteu férias e deixou o senhor Presidente da República a tratar de dar a cara pelos problemas sérios que afetaram as pessoas, creio que para sentido de Estado estamos todos conversados

O líder do PSD referia-se aos incêndios que deflagraram em junho em Pedrógão Grande e provocaram pelo menos 64 mortes e ao furto de material de guerra nos paióis nacionais de Tancos.

Passos Coelho classificou como "completamente deslocadas" as críticas de António Costa e chamou a atenção para o que considerou serem as contradições entre o discurso do primeiro-ministro e secretário-geral socialista em várias matérias.

"É preciso perguntar porque é que o PS faz um discurso tão empolgado sobre Europa quando se alia a partidos anti-europeus e anti-euro em Portugal", lamentou, apontando que, também em matéria de segurança e defesa, "o PS vive e alia-se a partidos que são anti-NATO", com preocupações que considerou contrárias às do Estado português.

O que disse Costa?

Num comício autárquico, António Costa disse que, atualmente, os sociais-democratas, perdidos "no discurso do diabo", não "resistiram à tentação de ensaiar uma nova estratégia e fazer de Loures um balão de ensaio" para uma tática "populista que aposte no medo e insegurança para atrair votos".

António Costa, líder do PS e também primeiro-ministro, criticou ainda a "indignidade" do PSD em "explorar dramas" como o sucedido este verão no incêndio de Pedrógão Grande, acrescentando que os sociais-democratas perderam o sentido de Estado e permitem-se agora "fazer uma campanha eleitoral no ataque a instituições fundamentais" do Estado.

"Que PSD é este que põe em causa as Forças Armadas, ao exigir que o Governo intervenha num processo que está no ministério público, como se não houvesse em Portugal separação de poderes?", questionou António Costa, referindo-se ao furto de armas em Tancos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.