Partidos disponíveis para rever regimento por causa de votações

PAN quer cruzar quórum com resultados das votações. Em causa situações em que há conflito entre votos de bancadas e deputados. PS, BE e CDS também admitem alterações

O PAN quer cruzar a verificação de quórum com os resultados das votações no Parlamento para evitar situações como aquela em que um projeto de lei chumbou numa votação em que foi considerada a representatividade das bancadas, mas que poderia ter passado se a votação fosse por deputado.

PS, BE e CDS também estão disponíveis para avaliar eventuais alterações ao regimento da Assembleia da República. PCP e PSD não responderam em tempo útil.

Em causa estão dois casos recentes, noticiados pelo DN no último domingo a partir de dados recolhidos pelo site Hemiciclo.pt: a 29 de novembro, um projeto de lei do PAN acabou chumbado porque foi votado pelo método da representatividade parlamentar (o voto por "levantados e sentados" das bancadas daria esse resultado - eram 107 contra 106; mas, de facto, cruzando com os deputados presentes, o voto terá sido favorável - 99 contra 98). Na última sexta-feira, 23 de janeiro, voltou a acontecer com um projeto de resolução do PCP dado como aprovado quando os deputados presentes votaram 94 a favor e 96 contra.

Para já, as cautelas são muitas e só o PAN avança com uma solução para resolver estes casos. O deputado André Silva notou ao DN que "é factualmente histórico que estes casos em que o sentido de voto apurado tendo em conta o número de deputados em plenário são diferentes do sentido de voto do apuramento das representações parlamentares são pontuais, tendo anteriormente apenas sido verificada uma situação similar em 2001". E adianta que a solução poderá passar por "um cruzamento de informação, para que nestes cenários específicos, e apenas nestes casos, quando a representação parlamentar não acompanha uma maioria nominal e o resultado do sentido de voto é contraditório, as votações possam transitar para outra sessão seguinte de votações para uma reconfirmação". E concluiu: "Assim haveria a garantia de coerência numérica e representativa nas votações."

PS e CDS remetem para a conferência de líderes parlamentares esta discussão. O socialista Pedro Delgado Alves disse ao DN que "a norma do regimento foi revista em 2003 para precisamente melhorar o apuramento dos resultados nas votações com maioria qualificada (em que se recorre ao voto eletrónico)".

Segundo Delgado Alves, "a conferência de líderes abordará seguramente o tema e nesse quadro, para já, poder-se-á avaliar a interpretação da norma e a prática, mas não é líquido que seja indispensável alterar expressamente o regimento".

Fonte oficial da bancada do CDS disse que o partido está disponível "para avaliar essa matéria numa próxima conferência de líderes caso seja suscitada, embora, como refere a notícia, as votações citadas tenham sido feitas de acordo com as regras preestabelecidas".

Também o BE notou que "há várias alterações ao regimento" que consideram "pertinentes". "Por isso temos disponibilidade para abordar esse assunto no contexto de uma revisão do regimento."

Mais crítico desta situação, o deputado socialista Porfírio Silva defendeu na página de Facebook do Hemiciclo que "o voto é sempre individual", que "conta o número de deputados na votação".

"Os grupos parlamentares não têm o número de votos dos seus membros eleitos, mas sim o número de votos dos deputados presentes naquela sessão de votações", disse.

Já o antigo deputado socialista José Magalhães (que foi também secretário de Estado) é taxativo: "É inconstitucional, mas insindicável por entidade externa. E não há recurso para o Tribunal Constitucional de atos de rejeição como os referidos. Nunca tinha ocorrido e é surreal que ocorra sem que caia o Carmo e a Trindade."

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.