Partidos disponíveis para rever regimento por causa de votações

PAN quer cruzar quórum com resultados das votações. Em causa situações em que há conflito entre votos de bancadas e deputados. PS, BE e CDS também admitem alterações

O PAN quer cruzar a verificação de quórum com os resultados das votações no Parlamento para evitar situações como aquela em que um projeto de lei chumbou numa votação em que foi considerada a representatividade das bancadas, mas que poderia ter passado se a votação fosse por deputado.

PS, BE e CDS também estão disponíveis para avaliar eventuais alterações ao regimento da Assembleia da República. PCP e PSD não responderam em tempo útil.

Em causa estão dois casos recentes, noticiados pelo DN no último domingo a partir de dados recolhidos pelo site Hemiciclo.pt: a 29 de novembro, um projeto de lei do PAN acabou chumbado porque foi votado pelo método da representatividade parlamentar (o voto por "levantados e sentados" das bancadas daria esse resultado - eram 107 contra 106; mas, de facto, cruzando com os deputados presentes, o voto terá sido favorável - 99 contra 98). Na última sexta-feira, 23 de janeiro, voltou a acontecer com um projeto de resolução do PCP dado como aprovado quando os deputados presentes votaram 94 a favor e 96 contra.

Para já, as cautelas são muitas e só o PAN avança com uma solução para resolver estes casos. O deputado André Silva notou ao DN que "é factualmente histórico que estes casos em que o sentido de voto apurado tendo em conta o número de deputados em plenário são diferentes do sentido de voto do apuramento das representações parlamentares são pontuais, tendo anteriormente apenas sido verificada uma situação similar em 2001". E adianta que a solução poderá passar por "um cruzamento de informação, para que nestes cenários específicos, e apenas nestes casos, quando a representação parlamentar não acompanha uma maioria nominal e o resultado do sentido de voto é contraditório, as votações possam transitar para outra sessão seguinte de votações para uma reconfirmação". E concluiu: "Assim haveria a garantia de coerência numérica e representativa nas votações."

PS e CDS remetem para a conferência de líderes parlamentares esta discussão. O socialista Pedro Delgado Alves disse ao DN que "a norma do regimento foi revista em 2003 para precisamente melhorar o apuramento dos resultados nas votações com maioria qualificada (em que se recorre ao voto eletrónico)".

Segundo Delgado Alves, "a conferência de líderes abordará seguramente o tema e nesse quadro, para já, poder-se-á avaliar a interpretação da norma e a prática, mas não é líquido que seja indispensável alterar expressamente o regimento".

Fonte oficial da bancada do CDS disse que o partido está disponível "para avaliar essa matéria numa próxima conferência de líderes caso seja suscitada, embora, como refere a notícia, as votações citadas tenham sido feitas de acordo com as regras preestabelecidas".

Também o BE notou que "há várias alterações ao regimento" que consideram "pertinentes". "Por isso temos disponibilidade para abordar esse assunto no contexto de uma revisão do regimento."

Mais crítico desta situação, o deputado socialista Porfírio Silva defendeu na página de Facebook do Hemiciclo que "o voto é sempre individual", que "conta o número de deputados na votação".

"Os grupos parlamentares não têm o número de votos dos seus membros eleitos, mas sim o número de votos dos deputados presentes naquela sessão de votações", disse.

Já o antigo deputado socialista José Magalhães (que foi também secretário de Estado) é taxativo: "É inconstitucional, mas insindicável por entidade externa. E não há recurso para o Tribunal Constitucional de atos de rejeição como os referidos. Nunca tinha ocorrido e é surreal que ocorra sem que caia o Carmo e a Trindade."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.