Parque de estacionamento com 220 lugares na Avenida Infante Santo, Lisboa

O presidente da junta lisboeta da Estrela disse hoje que a construção do parque subterrâneo visa resolver "um problema significativo" de estacionamento na zona, tanto para trabalhadores como para residentes.

O presidente da Junta de Freguesia da Estrela, Luís Newton, afirmou que nesta zona estão concentrados vários serviços, considerando que este é um "projeto importante para assegurar que também possam existir espaços para os residentes" deixarem o carro, embora ainda não haja um número de lugares a destinar aos moradores.

"O que eventualmente poderá estar previsto é a possibilidade de haver um valor de referência [avenças mensais] mais baixo para os residentes", indicou.

Luís Newton explicou que a falta de estacionamento na Avenida Infante Santo causa "pressão em todas as outras zonas" circundantes, como é caso da Calçada da Pampulha e da Rua Embaixador Teixeira de Sampaio, onde "há sempre carros em cima do passeio e em segunda fila".

Segundo uma nota da Empark, que faz a gestão e exploração do parque, o novo equipamento contará com "6.023 metros quadrados, distribuídos por três pisos, onde serão disponibilizados um total de 220 lugares e estará concluído em 18 meses", implicando um investimento conjunto de quatro milhões de euros, por parte desta empresa e do Hospital CUF Infante Santo (pertencente à José de Mello Saúde).

"Este parque, além dos residentes, vai também dar um grande apoio aos profissionais e utentes dos serviços do Hospital CUF Infante Santo", declara o diretor-geral da Empark em Portugal, Paulo Nabais, citado na mesma nota.

O responsável afirmou também que o objetivo da empresa é "continuar a dar resposta à dificuldade de estacionamento em pleno centro de Lisboa, onde se prevê um forte aumento demográfico e de serviços".

De acordo com a informação divulgada no 'site' da Câmara de Lisboa, este projeto inclui ainda a construção de um elevador público de acesso à plataforma superior do geomonumento da Infante Santo e à Calçada das Necessidades.

"Aproveitando a ligação pedonal à Calçada das Necessidades, o objetivo é também poder criar condições para que as pessoas que ali residem e não têm possibilidade de estacionar [...] possam ter uma opção viável" de estacionamento, adiantou Luís Newton, da Junta de Freguesia da Estrela.

O autarca adiantou que no local para onde está previsto o parque subterrâneo, na Avenida Infante Santo, já existe um à superfície, com 60 a 75 lugares, e que essa zona será agora transformada num jardim.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.