Parlamento saúda prémio para Manuel Alegre

Assembleia da República aprovou por unanimidade voto de saudação ao poeta. Muitos deputados ficaram sentados nas bancadas do PSD e do CDS

A Assembleia da República aprovou por unanimidade esta sexta-feira de manhã um voto de saudação a Manuel Alegre pela atribuição do Prémio Camões.

Os deputados aplaudiram de pé Manuel Alegre, presente nas galerias do Parlamento, mas muitos ficaram sentados nas bancadas do PSD e do CDS.

No texto apresentado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, é exaltada "a voz de Manuel Alegre" que "é a voz da liberdade". Assinalando que este prémio é atribuído no ano em que O Canto e as Armas faz 50 anos, o texto regista que o galardão "consagra como um nome maior das letras" o poeta e antigo deputado socialista nascido em Águeda (Aveiro).

Manuel Alegre disse na quinta-feira ao DN que recebeu o prémio "com alegria mas também com serenidade". O histórico socialista disse ainda: "É natural que me atribuam este prémio. Até podia ter sido mais cedo", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).