Parlamento saúda prémio para Manuel Alegre

Assembleia da República aprovou por unanimidade voto de saudação ao poeta. Muitos deputados ficaram sentados nas bancadas do PSD e do CDS

A Assembleia da República aprovou por unanimidade esta sexta-feira de manhã um voto de saudação a Manuel Alegre pela atribuição do Prémio Camões.

Os deputados aplaudiram de pé Manuel Alegre, presente nas galerias do Parlamento, mas muitos ficaram sentados nas bancadas do PSD e do CDS.

No texto apresentado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, é exaltada "a voz de Manuel Alegre" que "é a voz da liberdade". Assinalando que este prémio é atribuído no ano em que O Canto e as Armas faz 50 anos, o texto regista que o galardão "consagra como um nome maior das letras" o poeta e antigo deputado socialista nascido em Águeda (Aveiro).

Manuel Alegre disse na quinta-feira ao DN que recebeu o prémio "com alegria mas também com serenidade". O histórico socialista disse ainda: "É natural que me atribuam este prémio. Até podia ter sido mais cedo", afirmou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.