Parlamento saúda prémio para Manuel Alegre

Assembleia da República aprovou por unanimidade voto de saudação ao poeta. Muitos deputados ficaram sentados nas bancadas do PSD e do CDS

A Assembleia da República aprovou por unanimidade esta sexta-feira de manhã um voto de saudação a Manuel Alegre pela atribuição do Prémio Camões.

Os deputados aplaudiram de pé Manuel Alegre, presente nas galerias do Parlamento, mas muitos ficaram sentados nas bancadas do PSD e do CDS.

No texto apresentado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, é exaltada "a voz de Manuel Alegre" que "é a voz da liberdade". Assinalando que este prémio é atribuído no ano em que O Canto e as Armas faz 50 anos, o texto regista que o galardão "consagra como um nome maior das letras" o poeta e antigo deputado socialista nascido em Águeda (Aveiro).

Manuel Alegre disse na quinta-feira ao DN que recebeu o prémio "com alegria mas também com serenidade". O histórico socialista disse ainda: "É natural que me atribuam este prémio. Até podia ter sido mais cedo", afirmou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.