Parlamento debate em 04 de maio veto presidencial a engenheiros em projetos de arquitetura

PCP debate no mesmo dia um projeto-lei que anula a lei do arrendamento urbano

Lisboa, 11 abr (Lusa) - A Assembleia da República vai debater em 04 de maio o veto do Presidente da República à lei que repunha a possibilidade de engenheiros civis poderem assinar projetos de arquitetura.

De acordo com a agenda fixada hoje em conferência de líderes, a mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa, que sustenta a devolução do diploma ao parlamento, sem promulgação, será lida já esta tarde, no início do plenário, mas apenas será discutida no início de maio, ocasião em que os partidos poderão reconfirmar ou não a lei.

Na mensagem colocada no "site" da Presidência da República, no sábado, o chefe de Estado considera que a lei deturpa o "largo consenso" criado por uma lei de 2009, que admitia um período de transição de cinco anos para que esses técnicos assinassem projetos, tornando o "regime transitório" em definitivo, "sem que se conheça facto novo que o justifique".

A lei foi aprovada em 16 de março no parlamento, com os votos do PSD, PCP, PEV e PAN, a abstenção do PS e CDS e os votos contra do BE, 42 deputados socialistas, incluindo do presidente da Assembleia, Ferro Rodrigues, e sete do CDS, incluindo a líder do partido, Assunção Cristas.

No mesmo dia, 04 de maio, será debatido em plenário um projeto-lei do PCP que revoga a lei do arrendamento urbano, partido que, em 18 de maio, apresentará no parlamento um diploma que revoga a aplicação aos trabalhadores em funções públicas dos mecanismos de adaptabilidade e de banco de horas.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.