Parlamento aprova projeto que isenta de IVA doações a museus

Deputadas do PSD e do CDS-PP criticaram, durante a discussão da proposta, a política cultural do Governo e a falta de medidas eficazes por parte dos partidos

O parlamento aprovou esta sexta-feira, por unanimidade, um projeto de lei do Partido Socialista que isenta de IVA a doação de bens móveis a museus da Rede Portuguesa de Museus (RPM), destinado a incentivar iniciativas da sociedade civil.

O projeto de lei n.º 253/XIII/1ª refere que o regime fiscal destas doações de bens móveis, em sede de IVA, não é regulado pela legislação setorial da atividade museológica, mas pelo quadro legal plasmado pelo Código do IVA.

Um quadro que permite que vários tipos de ofertas de bens móveis a instituições museológicas que não se enquadram no conceito de Mecenato ou Patrocínio sejam sujeitas a pagamento de IVA, como referiu hoje na Assembleia da República a deputada socialista Gabriela Canavilhas.

A deputada sublinhou a importância de alterar este quadro legal, sobretudo por o projeto de lei incidir sobre bens a doar à RPM.

Durante a discussão da proposta, as deputadas Margarida Balseiro Lopes, do PDS, e Teresa Caeiro, do CDS-PP, criticaram a política cultural do Governo e o silêncio que os partidos que o suportam têm mantido face à "inexistência de medidas" eficazes.

Teresa Caeiro insistiu mesmo várias vezes no cariz "cirúrgico" deste projeto apresentado por cinco deputados socialistas.

No entanto, os partidos foram recetivos à forma como Gabriela Canavilhas defendeu a proposta, sublinhando que esta iniciativa irá, através de uma alteração cirúrgica ao Código do IVA criar um incentivo "relevante" para a integração de bens móveis nas coleções dos museus integrados na rede.

Uma medida que, referiu, reconhece a importância destes para a valorização dos espaços museológicos ao mesmo tempo que "garante" que não se desperdicem oportunidades de integrar acervos particulares nos espaços museológicos nacionais.

A deputada lembrou que as ofertas e doações são de grande importância para os museus, especialmente no quadro de restrições orçamentais que o país atravessa, afetando o Estado, as autarquias e outros responsáveis por espaços museológicos da Rede.

Para o PS, o incentivo às ofertas e doações de bens móveis, por parte de cidadãos e de empresas aos museus, deve ser estimulado pelo Estado, já que reforça a relação entre a sociedade civil e a cultura, contribuindo para aproximar o cidadão das instituições culturais e apelando à cidadania responsável.

Com 146 membros, a RPM existe desde 2000, como organismo oficial certificador da qualidade e funcionamento dos espaços museológicos no país, e tem vindo a promover a partilha de conhecimento, serviços, recursos e boas práticas nesta área.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.