Parlamento altera funcionamento mas sem mexer no regimento

Conferência de líderes deixou "definitivamente de fora" qualquer alteração ao regimento da Assembleia da República, incluindo a votação por bancada

A conferência de líderes parlamentares deixou "definitivamente de fora" qualquer alteração ao regimento da Assembleia da República, depois de mais uma reunião para discutir o funcionamento do plenário, que se realizou esta quarta-feira de manhã, confirmou o secretário da Mesa da Assembleia, o deputado Duarte Pacheco.

Falando aos jornalistas no final dessa reunião, Duarte Pacheco referiu que "o senhor presidente da Assembleia da República quer evitar entrar neste momento numa alteração do regimento". Assim, as alterações que serão discutidas e aprovadas na próxima semana têm de ser aquelas que o atual texto do regimento acomoda.

De fora fica assim também a votação por bancada, casos em que o Parlamento pode ter uma votação diferente, quando é considerada a representatividade das bancadas, daquela em que seja considerado o voto por deputado, assumindo assim que os parlamentares ausentes votam de acordo com a respetiva bancada.

Ferro Rodrigues tinha levado este tema a debate, numa reunião anterior, mas desde o início que a sua alteração não foi pacífica. E como "é uma norma regimental", como indicou Duarte Pacheco, "não se altera". Nem agora, nem num futuro próximo. "Não houve ninguém que se expressasse para abrir uma alteração ao regimento", notou o secretário da Mesa.

Para a semana, Duarte Pacheco e o vice-presidente Jorge Lacão ficaram de sintetizar novo documento com as propostas consensuais, para fechar e aprovar essas alterações ao funcionamento do plenário e que não obrigam a mexer no regimento da Assembleia. Também por isso, algumas das 21 propostas inicialmente feitas vão cair.

Foi ainda indicado aos jornalistas que no dia 20, às 17.30, Ferro Rodrigues receberá a Comissão Técnica Independente para a entrega do relatório dos incêndios de outubro e, no dia 22, às 12.30, será feita a apresentação pública do novo site do Parlamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.