Paredes quer acabar com barracas mas recusa impor solução à comunidade cigana

O vereador Paulo Silva disse que estão a ser mantidas conversações com um representante da etnia cigana em Paredes

A Câmara de Paredes quer acabar com o bairro de barracas à entrada da cidade habitado por várias famílias de etnia cigana, mas recusa-se a impor uma solução aos membros da comunidade, disse à Lusa o vereador Paulo Silva.

"É um problema, mas não tem que se impor uma solução. A comunidade tem de ser ouvida", acentuou.

Falando à margem de um encontro europeu sobre integração de emigrantes que se realizou nos últimos dias em Paredes, o autarca reconheceu a necessidade de se fazer algo face a um problema que se arrasta em Paredes há décadas, mas insistiu que a solução terá de ser encontrada em diálogo com a comunidade.

Vereador recordou haver já famílias disponíveis para soluções de alojamento indicadas pela câmara

O vereador disse que estão a ser mantidas conversações com um representante da etnia cigana em Paredes para ser encontrada a melhor solução e que tem havido abertura da comunidade.

Paulo Silva recordou haver já famílias disponíveis para soluções de alojamento indicadas pela câmara.

O bairro de barracas, onde habitam algumas dezenas de famílias, existe há décadas numa das principais entradas de Paredes

"Alguns estão disponíveis para sair", afirmou, recordando que até há fundos comunitários disponíveis para enquadrar uma eventual solução.

O bairro de barracas, onde habitam algumas dezenas de famílias, existe há décadas numa das principais entradas de Paredes, junto à variante urbana, convivendo a poucas dezenas de metros com modernos edifícios de apartamentos, num das zonas mais modernas da cidade.

Para além do impacto visual negativo, o aglomerado provoca preocupações à população, nomeadamente ao nível da salubridade.

Questionado sobre um modelo que teria sido estudado pelo anterior executivo social-democrata, com vista ao alojamento das famílias de etnia cigana, Paulo Silva disse desconhecer se havia, em concreto, algum plano, frisando até que a nova gestão socialista do município não encontrou nada quando chegou à câmara após as eleições.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?