Paredes quer acabar com barracas mas recusa impor solução à comunidade cigana

O vereador Paulo Silva disse que estão a ser mantidas conversações com um representante da etnia cigana em Paredes

A Câmara de Paredes quer acabar com o bairro de barracas à entrada da cidade habitado por várias famílias de etnia cigana, mas recusa-se a impor uma solução aos membros da comunidade, disse à Lusa o vereador Paulo Silva.

"É um problema, mas não tem que se impor uma solução. A comunidade tem de ser ouvida", acentuou.

Falando à margem de um encontro europeu sobre integração de emigrantes que se realizou nos últimos dias em Paredes, o autarca reconheceu a necessidade de se fazer algo face a um problema que se arrasta em Paredes há décadas, mas insistiu que a solução terá de ser encontrada em diálogo com a comunidade.

Vereador recordou haver já famílias disponíveis para soluções de alojamento indicadas pela câmara

O vereador disse que estão a ser mantidas conversações com um representante da etnia cigana em Paredes para ser encontrada a melhor solução e que tem havido abertura da comunidade.

Paulo Silva recordou haver já famílias disponíveis para soluções de alojamento indicadas pela câmara.

O bairro de barracas, onde habitam algumas dezenas de famílias, existe há décadas numa das principais entradas de Paredes

"Alguns estão disponíveis para sair", afirmou, recordando que até há fundos comunitários disponíveis para enquadrar uma eventual solução.

O bairro de barracas, onde habitam algumas dezenas de famílias, existe há décadas numa das principais entradas de Paredes, junto à variante urbana, convivendo a poucas dezenas de metros com modernos edifícios de apartamentos, num das zonas mais modernas da cidade.

Para além do impacto visual negativo, o aglomerado provoca preocupações à população, nomeadamente ao nível da salubridade.

Questionado sobre um modelo que teria sido estudado pelo anterior executivo social-democrata, com vista ao alojamento das famílias de etnia cigana, Paulo Silva disse desconhecer se havia, em concreto, algum plano, frisando até que a nova gestão socialista do município não encontrou nada quando chegou à câmara após as eleições.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.