Para Marcelo, o ano de 2017 teve um saldo negativo

A questão da segurança que foi posta em causa nos incêndios marcou a mensagem de Ano Novo do Presidente da República

O Presidente da República entende que "a confiança dos portugueses na sua segurança" foi abalada e lembra que essa confiança "é mais do que a estabilidade governativa, finanças sãs, crescente emprego, rendimentos". Para 2018, Marcelo Rebelo de Sousa quer ter a certeza "de que, nos momentos críticos, as missões clássicas do Estado não falham nem se isentam de responsabilidades". Na mensagem de Ano Novo, o Presidente elogiou as conquistas do governo em matéria económico-financeira, mas aproveitou para dividir o ano num antes e num depois de 16 de junho e que fica marcado, "sobretudo, pelas tragédias dos incêndios" que "acabariam por largamente pesar no balanço de 2017".

"Ano estranho e contraditório", "vivendo, como se de um sonho impossível se tratasse, finanças públicas a estabilizar, banca a consolidar, economia e emprego a crescer, juros e depois dívida pública a reduzir". E tudo o mais que veio com o fim do Procedimento por Défice Excessivo e o papel de relevo que Portugal assume no euro. Um caminho de sucesso que o Presidente fez questão de salientar foi "sem dúvida iniciado no ciclo político anterior, mas confirmado e acentuado neste, que tão grandes apreensões e desconfianças havia suscitado, cá dentro e lá fora".

Só que a olhar para o que deve ser 2018, fazendo uma retrospetiva do que foi 2017, Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de salientar que o ano se dividiu em dois. "Se o ano tivesse terminado a 16 de junho, ou tivesse sido por mais seis meses exatamente como então, poderíamos falar de uma experiência singular, constituída apenas por vitórias." Marcelo pôs o dedo na ferida, de 2017, a memória guardará acontecimentos que o país dispensava. As tragédias dos incêndios de 17 de junho e de 15 de outubro, "tão brutalmente inesperadas e tão devastadoras em perdas humanas e comunitárias", mas também a "perplexidade em Tancos, o pesar no Funchal e o espectro da seca".

E porque o Presidente acredita nos portugueses, terminou a mensagem com otimismo: "Acredito em Portugal"

Se António Costa tinha começado a sua mensagem de Natal com uma espécie de penitência pelas mortes nos incêndios, dando o exemplo do sucesso económico como prova de confiança de que a tragédia não voltará a acontecer, Marcelo fez o caminho inverso, pedindo "o mesmo empenho" e "exigindo a coragem de reinventarmos o futuro". Para o Presidente da República, "o ano que ora começa tem de ser o ano dessa reinvenção", com um destaque particular para a "reinvenção da confiança dos portugueses na sua segurança".

Para uma "reinvenção que é mais do que mera reconstrução", feita "com verdade, humildade, imaginação e consistência", Marcelo lembra a mensagem que ouviu por todo o país: "Temos de converter as tragédias que vivemos em razão mobilizadora de mudança, para que não subsistam como recordação de irrecuperável fracasso."

No balanço de 2017, o Chefe do Estado lembrou também a morte de Mário Soares, a vinda do Papa Francisco a Fátima, a vitória na Eurovisão, os sucessivos galardões no turismo e os sucessos no digital, nas artes, na ciência ou no desporto. E, no que temos de fazer em 2018, Marcelo Rebelo de Sousa considera que, nesta "exigente frente de luta coletiva", "temos de superar o que de menor nos divide para afirmar o que de maior nos une". Para o Presidente "esta é a palavra de ordem que vem do povo, deste povo, do mais sofrido, do mais sacrificado, do mais abnegado. Vem do que ele pensa, do que ele sente, do que ele faz". E porque o Presidente acredita nos portugueses, terminou a mensagem com otimismo: "Acredito em Portugal."

Leia aqui na íntegra a mensagem do Presidente da República

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."