Padre Peter Stilwell é novo reitor em Macau

O padre Peter Stilwell será a partir de maio o novo reitor na Universidade de São José, em Macau, uma instituição fundada pela Fundação Católica de Ensino Superior Universitário de Macau, que foi instituída pela Universidade Católica de Portugal e pela Diocese de Macau.

À Agência Ecclesia, o até agora vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa (UCP), em Lisboa, destaca a ligação que o estabelecimento macaense tem estabelecido com alunos vindos de outros países asiáticos, como "Birmânia, Vietname, Tailândia e Singapura".

"Estas pessoas recorrem à Universidade de São José para estudar teologia e seria interessante aprofundar esses laços", salienta.

Nos objectivos do padre Peter Stilwell está o reforço da ligação com a comunidade cristã local e também da China, onde o corte das relações diplomáticas entre o Estado e a Santa Sé, em 1951, obrigou milhões de fiéis a viverem na clandestinidade.

O sacerdote defende que "a universidade cresceu muito rapidamente ao longo dos anos, mas um pouco fechada sobre si própria e portanto, importa estabelecer pontes com a sociedade, com as aspirações dos macaenses".

Em relação à proximidade com a Igreja Católica da China - em comunhão com a Santa Sé e não reconhecida pelo Governo do presidente Hu Jintao - o novo reitor sublinha o facto de "nos últimos anos, o clero chinês ter vindo a Macau fazer a sua formação".

Aos 65 anos, o sacerdote substitui no cargo o professor Rúben de Freitas Cabral, que teve de abandonar Macau por razões pessoais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.