Overdose. Álcool matou mais pessoas do que cocaína e heroína

Rua Cor de Rosa, no Cais do Sodré. Ambiente após a entrada em vigor da nova lei que proíbe a venda de bebidas alcoólicas a menores de 18 anos.

Maioria dos casos registou-se entre os 45 e os 54 anos. Álcool é um dos cinco principais fatores de risco de morte ou doença

Em Portugal morreram 44 pessoas de overdose alcoólica. Ou seja, o consumo de bebida foi tão elevado num curto espaço de tempo que o corpo não teve capacidade para reagir à toxicidade, levando à falência dos órgãos. Este número refere-se ao ano passado e é surpreendente ainda mais quando comparado com as mortes provocadas por overdose de drogas. Em 2013 foram 22, sobretudo provocadas pelo consumo de opiáceos (o mais conhecido é a heroína) e de cocaína. O álcool é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) um dos cinco principais fatores de risco de morte ou doença.

"As overdoses por álcool são mais do que as devida ao consumo de drogas. Em 2014 foram 44. A faixa etária mais prevalente foi a de 45-54 anos e daí para baixo", revela ao DN Manuel Cardoso, subdiretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), que confessa um misto de surpresa e de choque com o que os dados agora conhecidos revelam. A overdose acontece quando o fígado não é capaz de decompor os produtos tóxicos, levando ao desacelerar do sistema respiratório. O que pode acontecer com 0,6% de álcool no sangue.

Se comparadas, as overdoses por álcool são o dobro das provocadas pelas drogas ilícitas. Em 2013, o relatório "A Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências", registou 22 mortes por overdose de drogas, com destaque para os opiáceos (46% dos casos), seguidos da cocaína (36%) e da metadona (27%). Nos dois anos anteriores a tendência foi semelhante: em 2012 registaram-se 29 overdoses por drogas ilícitas e em 2011 foram 19.

Embora o consumo esteja a descer, Portugal continua no top dos maiores bebedores per capita. E o consumo exagerado traz um preço a pagar que continua a ser muito alto. "Nos acidentes rodoviários 15% das mortes são atribuídas ao álcool, na violência 22% dos abusos estão relacionados com este consumo e 22% dos suicídios e sofrimento autoinfligido são atribuídos ao álcool. Nas doenças de fígado, o álcool tem um peso de 50% e 30% dos cancros da boca e da faringe estão relacionados com o este consumo", exemplifica.

"São estas mortes que levam a que a esperança média de vida à nascença reduza em comparação com outros países europeus. O álcool contribui em, pelo menos, 6% para a redução da esperança e da qualidade de vida", refere o subdiretor-geral do SICAD, lembrando que o álcool é considerado pela OMS um dos cinco principais fatores de risco de morte ou doença. Impacto que é visível no número de anos de vida saudável, por exemplo quando se compara Portugal com os países nórdicos. "Aos 65 anos esperamos viver mais 20. Enquanto os nórdicos têm 14 a 15 anos de vida saudável, nós invertemos e temos seis a sete anos", acrescenta.

Mudar comportamentos

A lei do álcool foi alterada neste ano, passando a proibir a venda de todas as bebidas a menores de 18 anos. Manuel Cardoso explica que não é possível esperar uma mudança imediata nos padrões de consumo, mas quer ver resultados dentro de três a quatro anos, à medida que os novos limites forem sendo interiorizados. "O que assumimos com os nossos parceiros é que com menos de 18 anos não se bebe. Temos de ter uma educação para o consumo responsável", sublinha.

Os parceiros de que fala fazem parte do Fórum Álcool e Saúde, que junta 79 membros, desde a saúde, à indústria, vendedores, autoridades policiais, escolas e associações de pais. "Acreditamos que é através desta intervenção que mudamos mentalidades para maior consciência dos efeitos nocivos do álcool", diz. A publicidade, aponta, tem estado a mudar, nas escolas trabalha-se com os jovens em projetos como "Eu e os outros", em que o protagonista da história tem de tomar a decisão certa e que está a mudar de comportamentos.

Com as polícias aposta-se na fiscalização. "Um dos compromissos com a PSP e a GNR é o aumento dos testes de alcoolemia, que passaram de cerca de 500 mil para um milhão. A cada três anos o condutor devia ser testado para saber que existe fiscalização", frisa, salientando que vigiar a venda nos bares e nos restaurantes é difícil. "Tenho consciência de que dão o seu melhor, mas não têm vida fácil. O que me entristece são os pais que não se preocupam com os filhos", afirma Manuel Cardoso.

Relacionadas

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub