Otelo: FP-25 foram "choque grande e um prejuízo total"

Trinta anos depois da apresentação das FP-25, o comandante operacional da Revolução, Otelo Saraiva de Carvalho, que passou cinco anos na cadeia acusado de liderar a organização terrorista, considera o surgimento do grupo "um choque e um prejuízo total".

Detido a 20 de Junho de 1984 pela Polícia Judiciária, no âmbito da operação Orion, que marcou o início do fim da organização revolucionária armada, Otelo Saraiva de Carvalho foi depois julgado e condenado a 18 anos de prisão no âmbito deste processo.

O militar nunca assumiu a criação das FP-25 nem a militância no grupo. Do tempo total de pena cumpriu apenas cinco anos.

Recordando, em entrevista à agência Lusa, o dia em que recebeu a notícia da criação deste partido revolucionário armado, Otelo Saraiva de Carvalho fala em "apreensão e perturbação com a ideia".

A 20 de Abril de 1980, as FP-25 apresentam-se ao país numa aparatosa operação de rebentamento de petardos, espalhando de Norte a Sul exemplares do seu "Manifesto ao Povo Trabalhador".

"Logo que este primeiro manifesto saiu a lume causou uma perturbação muito grande, que vai avolumar-se ao longo dos anos. Estávamos na altura a trabalhar no sentido de levantar a FUP, que se constituía como base de diversas forças da esquerda revolucionária para concorrer às eleições parlamentares desse ano. [As FP-25] vão constituir-se como obstáculo a que consigamos um consenso grande entre gente que era do Movimento de Esquerda Socialista (MES) e gente da OUT", recordou.

A 5 de maio de 1980, na primeira acção violenta reivindicada pelas FP, é assassinado o soldado da GNR Henrique Hipólito, num assalto a dois bancos no Cacém.

"Na sequência dessa acção nós - OUT/FUP - decidimos fazer um comunicado, demarcando-nos das acções das FP-25, que não tinham nada que ver com o nosso espírito de concorrer para um processo eleitoral. Decidimos depois agir como se as FP-25 não existissem", afirmou.

Ainda assim, disse, a organização "constituiu-se sempre como um obstáculo, e diminuiu em muito as possibilidades [da FUP] em termos de representação eleitoral. Foi um choque grande e um prejuízo total".

Otelo Saraiva de Carvalho assumiu que o objectivo anunciado pelas FP é comum ao da Estrutura Civil Armada que compõe o seu Projecto Global (PG), mas apressa-se a sublinhar as diferenças.

"O PG foi lançado por mim em reuniões que fui fazendo pelo país em 1977. Era um projecto de luta antifascista [para poder reagir] ao capitalismo selvagem que estava a verificar-se", lembrou.

A ideia era criar "condições para uma preparação militar para trabalhadores, garantindo que, se houvesse um regresso do fascismo a Portugal, estávamos habilitados com produção de ideologia, por parte da OUT/ FUP, com uma estrutura civil que pudesse armar-se se houvesse necessidade, e com os quartéis, de onde sairiam as armas e o apoio por parte dos que lá estavam. Era um projecto insurrecional, que morreria por falta de espaço para intervenção".

O militar de Abril sublinhou que "as FP-25 eram mais radicais porque entravam directamente na luta armada, não esperavam por qualquer processo insurrecional, por qualquer regresso do fascismo. Consideravam que estávamos em pleno capitalismo, que o poder era um poder fascista, e que havia que combatê-lo. E essa não era a minha perspectiva".

Sobre a condenação por ser um dos líderes do grupo terrorista, acusação que ainda hoje nega, Otelo Saraiva de Carvalho considera que "a máquina estava toda montada para [o] liquidar em termos políticos".

"Havia um conluio do PCP com o CDS e com o PSD para a minha liquidação total. Fiquei cinco anos preso preventivamente, quando o máximo era quatro anos. Quando eu fui detido, cerca de 70 por cento dos inspectores da PJ eram militantes do PCP. Todo o meu processo foi tratado e conduzido, mesmo em tribunal, pelo secretariado de trabalhadores do PCP", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)