Ossário para militares lusos na Beira

O cemitério da cidade moçambicana da Beira vai ter um ossário, construído "de raiz" com o apoio da Liga dos Combatentes (LC), para acolher corpos de militares portugueses mortos na guerra colonial.

A informação foi dada esta segunda-feira ao DN pelo presidente da LC, general Chito Rodrigues, o qual adiantou estarem já em curso as obras de recuperação do ossário existente em Nampula.

Essas acções inserem-se nas missões que a LC tem estado a realizar a Moçambique, no âmbito do seu projecto de "Conservação das memórias", para localizar, identificar e concentrar corpos de combatentes portugueses mortos durante a guerra nas antigas colónias portuguesas (1961-1974).

A segunda dessas operações em Moçambique realizou-se em Junho passado, tendo a LC visitado dezena e meia de locais no norte, centro e sul do país.

Chito Rodrigues explicou ter havido "algumas surpresas" nessa missão, uma vez que três quartos dos corpos que se previam encontrar estavam em "valas comuns", o que inviabilizou a sua identificação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.