"Os Verdes" dizem que Governo "não tem qualquer viabilidade"

A apresentação de moções de rejeição ao executivo PSD/CDS-PP "é natural", diz o documento.

A moção de rejeição do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) ao Governo PSD/CDS-PP diz que o executivo "não tem qualquer viabilidade" e que o novo quadro parlamentar criou condições "para se construir um governo da iniciativa do PS".

"Ficaram criadas as condições para se construir um governo da iniciativa do PS, que 'Os Verdes' viabilizarão, de modo a arredar as políticas prosseguidas pelo PSD e CDS e a criar condições para, também com o contributo do PEV, se materializarem medidas emergentes para a dignificação do povo português", apontam os ecologistas no texto hoje entregue de rejeição ao Governo.

Do resultado das legislativas de 04 de outubro "decorreu uma nova correlação de forças no parlamento" traduzida, "de forma muito clara", na "rejeição das políticas praticadas na legislatura anterior".

"Os eleitores foram, assim, claros numa opção maioritária de mudança e de rejeição da continuidade das políticas de austeridade e de empobrecimento", nota o PEV.

A apresentação de moções de rejeição ao executivo PSD/CDS-PP "é natural" e implica que o Presidente da República "nomeie novo primeiro-ministro, enquadrado, tal como dita a Constituição, nos resultados eleitorais".

"O PEV assume as suas responsabilidades com a apresentação da presente moção de rejeição", finda o texto dos ecologistas.

Os líderes parlamentares do PCP, BE e PEV entregaram hoje na mesa da Assembleia da República as respetivas moções de rejeição ao programa do Governo PSD/CDS-PP.

Em poucos minutos, logo a seguir a ter dado entrada a moção do PS, entregue por Carlos César, João Oliveira, Pedro Filipe Soares e Heloísa Apolónia entregaram as respetivas moções de rejeição ao XX Governo Constitucional.

A aprovação de moções de rejeição ao programa implica a queda do Governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.