Os problemas de saúde dos nossos presidentes

O Presidente foi esta tarde levado ao Hospital de Braga por "precaução" depois de ter desmaiado no Santuário do Bom Jesus, mas já uma vez foi internado de urgência para ser operado a uma hérnia umbilical. Dos seus antecessores, também Cavaco desmaiou duas vezes em cerimónias oficiais. Jorge Sampaio foi o caso mais grave - foi operado ao coração e Almeida Santos teve de assumir a Presidência da República

MARCELO

Operação à hérnia

Marcelo Rebelo de Sousa foi internado de urgência, em dezembro último, para ser operado a uma hérnia umbilical. A cirurgia foi realizada por Eduardo Barroso, amigo do Presidente, no Hospital Curry Cabral. Marcelo teve alta a 31 de dezembro, três dias depois da intervenção, a tempo de passar a passagem de ano em casa. Foi também da sua moradia, em Cascais, que fez em direto a tradicional mensagem de Ano Novo. No tempo em que esteve internado ainda despachou diplomas no quarto do hospital.

CAVACO SILVA

O episódio vagal

Nas comemorações do 10 de Junho de 2014, o então presidente da República Cavaco Silva desmaiou enquanto discursava. Estava muito calor. Cavaco foi levado em braços pelos militares e foi assistido de imediato.

O major-general médico José Duarte disse que o chefe de Estado tinha sentido "uma reação vagal, da qual recuperou rapidamente, nunca tendo perdido a consciência e sempre manifestou intenção de concluir o seu discurso".

Desmaio na posse de Guterres

O primeiro desmaio de Cavaco em cerimónias públicas aconteceu a 28 de outubro de 1995 aquando da tomada de posse de António Guterres como primeiro-ministro. Enquanto Mário Soares discursava no Palácio da Ajuda, o chefe de Governo cessante desmaiou. Causas: o ambiente abafado da Sala dos Embaixadores e as últimas horas que tinham sido "terríveis" a nível pessoal [a morte do sogro], conforme o próprio explicou pouco depois.

JORGE SAMPAIO

Cirurgia ao coração

Jorge Sampaio foi operado ao coração, durante o seu primeiro mandato no Palácio de Belém. Nessa altura, o Tribunal Constitucional declarou o impedimento temporário do Presidente que foi substituído no cargo por Almeida Santos, presidente da Assembleia da República e segunda figura do Estado. A última vez que Sampaio foi operado ao coração foi em setembro do ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?