Os filhos do Parque das Nações querem ver o bairro mais virado para eles

Os pais mudaram-se para o bairro mais novo da capital logo a seguir à exposição de Lisboa. Adoram o ambiente familiar, os espaços verdes e os grandes passeios, mas lamentam a falta de equipamentos

"Antigamente isto era tudo relva verde. Agora, a maior parte são ervas daninhas e está quase tudo amarelo, principalmente no Verão. Falta de rega. Não sei se é uma ironia, por estarmos em frente ao Mar da palha". Estêvão, onze anos - quase a fazer doze - é o mais novo dos três amigos . Mas é também o mais afoito a dizer o que pensa, sobretudo quando se trata de apontar as coisas que gostaria de ver melhoradas no Parque das Nações, o único bairro em que morou desde que nasceu.

Não se trata de não gostar do sítio onde vive, garante. Antes pelo contrário: não se imaginaria mais satisfeito noutro local. "Tenho os meus amigos aqui ao pé e, ao contrário de outras zonas de Lisboa, temos muito espaço para jogar à bola ou andar de bicicleta", conta. "Mas ao longo os anos muitas coisas aqui vieram a deteriorar-se aos poucos", explica. É a falta de rega e manutenção dos jardins mas também "os acesso para fora do Parque das Nações, que estão a tornar-se cada vez mais difíceis", fazendo epopeias das suas saídas com os amigos para os treinos de râguebi, no Técnico. Ou ainda a decisão, pela Escola Vasco da Gama, onde estuda, de interditar o estacionamento das bicicletas dentro das suas instalações. "Continuo a ir sempre de bicicleta para a escola. Mas já me roubaram uma e ao meu irmão duas".

No fundo, explica o irmão Vicente, 15 anos, os "parquenses" de gema gostariam que a sua freguesia fosse mais pensada tendo em conta os seus interesses, e não apenas os daqueles que a usam em visitas ocasionais, para assistir a eventos na FIL e no Pavilhão Atlântico ou simplesmente passear à beira rio. "Os meus amigos, quando cá vêm, dizem-me que sou um sortudo por viver aqui, que tenho todos estes espaços verdes, e é verdade", reconhece. Mas também há coisas essenciais que, sem explicação aparente, simplesmente não existem. "Dizem que somos uma das freguesias mais jovens do país mas não temos um campo de jogos. Eu já nem pedia tanto: bastavam umas balizas, uma tabela de basquete", ilustra.

VEJA AQUI "ESPECIAL 20 ANOS EXPO 98"

Um autocarro, duas escolas

Com cerca de 20% dos seus 28 mil habitantes com menos de catorze anos, o Parque das Nações é claramente um dos bairros mais jovens de Portugal e da cidade de Lisboa. Mas os equipamentos urbanos, por mais que as restantes crianças e adolescentes da cidade lhes invejem a envolvência, não têm acompanhado esta tendência. Na verdade, nunca o fizeram.

Durante muito tempo, a única escola pública a servir todas as três áreas da antiga Expo 98 foi a Vasco da Gama, na zona Norte, ainda hoje lotada, cuja oferta vai até ao 9.º ano de escolaridade. Em 2010, depois de uma longa batalha travada pelos moradores, foi inaugurada a EB1/JI Parque das Nações. A intenção era transformá-la numa básica integrada, também até ao 9.º ano. Mas até agora a sua oferta resume-se ao pré-escolar e 1.º ciclo.

Quem entra no secundário, como Mariana Madaleno, quinze anos, tem de procurar soluções fora do bairro. "Estudo na António Damásio (Olivais), que é para onde vão a maioria dos alunos depois da Vasco da Gama", conta. Gosta da escola. Só não gosta que o único autocarro que passa no bairro e na secundária tenha "intervalos de 45 em 45 minutos, sendo que os horários nem sequer coincidem com os das atividades da escola", explica.

Significa isto que gostariam de mudar de casa, para zonas mais bem servidas de equipamentos? A resposta de todos é um rotundo "não". "É uma zona ótima para se viver", diz Mariana, assumindo até que "gostava" de continuar por lá quando chegar a altura de encontrar a sua própria casa. Mas também concordam todos que, para que isso aconteça, o seu bairro tem de preservar o que tem de bom e continuar a crescer com eles no que ainda lhe falta.

Diogo Madaleno, o pai de Mariana, chegou ao Parque das Nações em 1999, criando ali os quatro filhos. E explica que é precisamente por terem conhecido a melhor versão do bairro que muitas famílias se preocupam com o seu rumo. "Dói a alma ver o que isto era e o que é agora", confessa. "Os passeios estavam limpos e hoje em dia não estão, as pedras da calçada saltam e hoje em dia ficamos com buracos na rua durante meses. Continua a ser um ótimo sítio para criar os filhos", ressalva. "Mas por vezes pergunto-me se ainda o será dentro de mais 20 anos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."