Os demónios andaram à solta pelas ruelas de Lazarim

Diabos chifrudos, demónios assustadores e algumas 'senhorinhas' compuseram o leque de figuras monstruosas retratadas nas tradicionais máscaras esculpidas em madeira de amieiro, que em dia de Entrudo andaram à solta pelas ruelas da vila de Lazarim, em Lamego.

Do imaginário dos cinco ou seis artesãos, que ainda laboram em Lazarim, nasceram as figuras diabólicas, esculpidas em pedaços de troncos de madeira de amieiro, cortados nas margens do Rio Barosa, e trabalhados em verde, quando é mais fácil.

Os 'caretos' ficaram completos e puderam sair à rua, mesmo debaixo de chuva, depois de associados a um traje elaborado, na maioria das vezes, com produtos da natureza.

Outro dos atrativos do Entrudo de Lazarim é a luta dos sexos, entre rapazes e raparigas solteiras

"Este ano tenho 10 novas máscaras na rua: são mais diabos e 'senhorinhas', que é o mais típico daqui. Estou há quase quatro meses a trabalhar nelas, com cada uma a demorar-me pelo menos cinco dias", descreveu Adão Almeida, um dos artesãos.

Aos 53 anos, recorda que começou a arte de trabalhar troncos de madeira de amieiro aos 18, altura em que garante ter feito a sua melhor máscara, "que parecia o Álvaro Cunhal".

"Também gostei muito de fazer, há alguns anos, a figura do burro, com que andei nesse Entrudo e que agora está no Museu de Bruxelas. Pegamos na navalha e no formão e colocamos na madeira a ideia que temos na cabeça", descreveu.

O trabalho é minucioso e, por isso, demorado, valendo "entre 200 a 400 euros, dependendo do número de dias que leva até ser terminado".

É uma alegria quando saem à rua e a vila e os visitantes veem o nosso trabalho. Vêm sempre pessoas de todos os pontos do país

A chuva não deu tréguas, mas nem assim afastou os muitos visitantes que, ora vieram pela primeira vez, ora decidiram repetir a visita à pequena vila do concelho de Lamego.

O presidente da Junta de Freguesia de Lazarim, Adérito Vaz, considerou que nesta época do ano a vila vive "o momento alto", estimando que tenham passado por Lazarim cerca de 4 mil visitantes ao longo dos quatro dias dedicados ao Entrudo.

"Recebemos visitantes de toda a Península Ibérica, mas especialmente do norte de Portugal. Vêm ver os tradicionais caretos, as máscaras em madeira que são a nossa imagem de marca, mas também por causa do Centro Interpretativo da Máscara Ibérica, recentemente inaugurado", sustentou.

O orçamento para os quatro dias de Entrudo deste ano, que arrancou no sábado e prolonga-se até ao final do dia de hoje, "rondou os 12 mil euros".

"É mais curto que em outros anos, mas temos de nos orientar com o que temos para dar vida à nossa tradição, que este ano ganhou muita força. Os habitantes da vila estão mobilizados em torno desta tradição", evidenciou.

"É feita a leitura pública dos testamentos, com a divisão do porco em partes, para além da queima da comadre e do compadre", explicou Paulo Fernandes, natural de Lazarim.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.