Os amigos perguntavam-lhe: "Pastora, tu?"

Sandra Reis vestirá a Toga no consistório, já este domingo como pastora, e sonha um dia ver a ordenações de mulheres também na Igreja Católica. "Eu vou orar para que isso aconteça!".

Mas até à ordenação da Igreja Evangélica Presbiteriana de Portugal (IEPP), Sandra Reis, de 35 anos, andou dividida entre o estudo da Teologia e a opção de Português/Inglês na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Por pressão familiar, confessa, cursou em Coimbra.

O apelo do Seminário Evangélico Unido de Teologia, em Madrid (Espanha), acabou por ser mais forte. Hoje quer "conciliar a opção de servir a Deus com uma vida normal, de sair com os amigos, com o namorado e dar aulas, com o do culto".

Foi no início deste século que seguiu uma força: "Sentia que precisava de dar, precisava de mais". Mas revela que alguns amigos e familiares ficaram atónitos quando deu a conhecer a sua opção: "Tu, pastora?", questionaram. Mas ela não hesitou.

Sandra Reis, após estagiar em Lisboa, será ordenada na sua comunidade local, Bebedouro, e irá para a Cova-Gala e Figueira da Foz. Assume que sempre teve postura de liderança na sua igreja "desde muito nova, quer a nível local e nacional".

A sua professora da escola dominical, Ana Teixeira, de 43 anos, confessa-se alegre por esta caminhada de Sandra: "Ter uma pastora é absolutamente normal", assegura ao DN.

- P. C.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.