Ordem da Liberdade para o ex-Presidente: uma "tradição" criada por Sampaio

O Grande Colar é o mais elevado grau das Ordens Honoríficas e é quase exclusivamente atribuído aos chefes de Estado

O ex-Presidente da República Cavaco Silva foi hoje condecorado pelo seu sucessor no cargo com o Grande Colar da Ordem da Liberdade, seguindo uma 'tradição' iniciada em 1996 pelo então chefe de Estado Jorge Sampaio.

Numa breve cerimónia sem discursos, no Palácio da Ajuda, Marcelo Rebelo de Sousa impôs as insígnias a Cavaco Silva, que abandonou hoje a chefia do Estado, ao fim de dez anos na Presidência da República.

A Ordem da Liberdade destina-se a distinguir serviços relevantes prestados em defesa dos valores da Civilização, em prol da dignificação da Pessoa Humana e à causa da Liberdade.

O Grande-Colar da Ordem da Liberdade é o mais alto grau da Ordem e é concedido pelo Presidente da República a Chefes de Estado estrangeiros. Pode ainda ser concedido a antigos Chefes de Estado e a pessoas cujos feitos, de natureza extraordinária e especial relevância para Portugal, os tornem merecedores dessa distinção.

A Lei das Ordens Honoríficas estipula que os Presidentes da República que concluírem os seus mandatos recebem o Grande Colar da Ordem Militar da Torre e Espada. Tal aconteceu com todos os anteriores chefes de Estado eleitos em democracia.

Contudo, ao tomar posse como Presidente da República, em 1996, Jorge Sampaio decidiu também atribuir ao seu antecessor, Mário Soares, o Grande Colar da Ordem da Liberdade.

Gesto que Cavaco Silva repetiu quando chegou a Belém, condecorando Jorge Sampaio também com o Grande Colar da Ordem da Liberdade.

Ramalho Eanes recebeu a mesma insígnia há poucos meses, já atribuída por Cavaco Silva, já que Jorge Sampaio em 2004 apenas o tinha condecorado com o grau de Grã-Cruz, inferior ao Grande Colar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.