Ordem ameaça processar enfermeiros que ajudem técnicos do INEM

Bastonária luta contra as novas competências dos técnicos de emergência pré-hospitalar, que lhes permitirá executar tarefas como entubar doentes

Os enfermeiros que ajudem a formar técnicos do INEM arriscam ser processados pela Ordem. Esta é uma das conclusões de um parecer do Conselho Jurisdicional da Ordem dos Enfermeiros (OE), pedido pela bastonária Ana Rita Cavaco, mais um ponto de uma luta contra as novas competências dos técnicos de emergência pré-hospitalar (TEPH), que lhes permitirá executar tarefas que eram dos médicos e enfermeiros, como medicar ou entubar doentes.
"Os enfermeiros que delegarem atos ou permitirem, através de formação ou coordenação, que os TEPH pratiquem tarefas, atos ou competências que integrem cuidados de enfermagem incorrem em responsabilidade disciplinar", pode ler-se no parecer, datado de dia 8. E se aparentemente o impacto na formação dos 100 técnicos que devem acabar o curso lá mais para o final do ano não parece ser grande, porque ela é dada por médicos, a Ordem lembra "a circunstância de o programa formativo do INEM prever estágios para os TEPH, realizados sob supervisão médica", o que "não exonera os enfermeiros da sua responsabilidade". Ou seja, o aviso vai também para os profissionais que estão "num serviço de urgências ou bloco operatório e que, por omissão, não podem deixar de fazer o que estão a fazer para um médico dar formação a um TEPH", traduz Ana Rita Cavaco ao DN.
O plano de formação dos técnicos de emergência, preparado pelo INEM e aprovado pela Ordem dos Médicos, arrancou no início deste mês, mas ainda com a sombra de uma providência cautelar a pairar, interposta pelos enfermeiros contra esta revisão das competências. "A providência cautelar é que pode mesmo colocar em causa a contratação destes 100 técnicos, fundamentais para o reforço de meios do INEM", antecipa ao DN o presidente do Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar. Pedro Moreira lembra que "os enfermeiros também participaram na revisão dos protocolos para atribuição de competências aos TEPH e que os atos médicos são sempre delegados e têm supervisão médica". Em 2011, foram definidos os procedimentos a serem executados pelos técnicos de ambulância de emergência numa reunião entre o sindicato, o INEM, Direção Geral da Saúde, Ordem dos Médicos e a Ordem dos Enfermeiros, e, em abril de 2016, a Ordem dos Enfermeiros foi chamada a pronunciar-se sobre o decreto-lei que define a criação da carreira especial de TEPH, "não se tendo oposto".
Argumentos que não convencem Ana Rita Cavaco, que fala em três motivos para que os candidatos ao INEM "possam ter numa formação de 900 horas, parte feita em e-larning, as mesmas competências que os médicos demoram seis anos a ter, e os enfermeiros quatro": A bastonária ataca desde logo "os médicos, por ganharem uma classe que é sua criada; o Estado, "por gastar muito menos dinheiro com estes técnicos, que ganham cerca de 600 euros"; e quem "lucra com estas formações".

Há menos de um mês, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros alertou os presidentes das câmaras municipais para o perigo da intenção do Ministério da Saúde de atribuir a técnicos do Instituto Nacional de Emergência Médica competências de médicos e enfermeiros. "No seu concelho, está disposto a substituir a resposta diferenciada de médicos e enfermeiros por cidadãos, maiores de 18 anos, com o 12.º ano e formação por e-learning?", questionou na altura a bastonária, numa nota dirigida aos autarcas. Palavras que mereceram críticas do sindicato que representa os técnicos do INEM e que levou o INEM a esclarecer que a formação será presencial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.