Ordem admite investigar São José por falta de radiologistas

Secção do Sul da Ordem dos Médicos avisa que se qualidade do serviço diminuir sem a presença de radiologistas durante a noite pode avaliar capacidade do hospital para formar especialistas nesta área e vai culpar conselho de administração por possíveis acidentes.

A Ordem dos Médicos admite fazer uma inspeção ao serviço de radiologia de S. José para perceber se o hospital mantém capacidade para formar especialistas nesta área. O presidente do Conselho Regional do Sul adiantou ao DN que a Ordem vai acompanhar de perto a decisão da administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) de, a partir de 1 de junho, prescindir da presença de um médico radiologista no período noturno e de passar a fazer os exames via telemedicina. E se receber queixas sobre a qualidade do serviço, Alexandre Valentim Lourenço ameaça avançar com um processo de investigação interna e responsabilizar o hospital por possíveis acidentes com utentes.


O CHLC, do qual o Hospital de São José faz parte, argumentou já hoje que o recurso à telerradiologia "é comum nos hospitais", quer em Portugal, quer internacionalmente, tratando-se de uma "boa prática de recursos humanos para a tarefa de produção de relatórios de imagiologia". "Não há prejuízo para os utentes nem quaisquer perdas de tempo ou qualidade face aos relatórios de exames produzidos pelos médicos residentes". Para o CHLC, a solução tem, no entanto, de ser limitada e transitória, o que acontece neste caso, na medida em que a telerradiologia só ocorre das 00.00 às 08.00, período em que o número de exames é reduzido". Explicações que merecem críticas do presidente da secção regional do Sul da Ordem, que ironiza: "Então se a solução é boa, se a qualidade é a mesma, porque não prescindem também da presença de radiologistas durante o dia?".


Para Alexandre Valentim Lourenço, é "impensável" que um hospital de fim de linha, que recebe doentes de outros locais quando estes não têm capacidade de resposta, envie "os exames de radiologia e neuroradiologia para uma empresa no exterior", facto que pode causar "graves distúrbios". Empresas que, ainda segundo o dirigente da Ordem dos Médicos, "estão a baixar preços, o que as leva a ter apenas um técnico a trabalhar para vários hospitais. Agora imaginemos que esse técnico recebe imagens de três hospitais, ele vai analisar por ordem de chegada, e não de gravidade. É essa a mais valia de ter a presença de um médico radiologista, de fazer uma análise imediata que pode salvar vidas".
Com a solução que entra em vigor em junho, um processo que demorava minutos pode passar a demorar mais de uma hora, com o envio de imagens a um técnico e se for preciso realizar novos exames, explica Alexandre Valentim Lourenço, que deixa um aviso: "Se a partir de junho, tivermos denúncias de perda de qualidade do serviço, vindas dos próprios médicos, avançaremos com uma investigação ao serviço, até para perceber se mantém capacidade para formar especialistas. E se forem apresentadas queixas civis por parte de utentes que sejam afetados pela medida, a responsabilidade por esses acidentes deixa de ser dos médicos, mas sim do conselho de administração que tomou esta decisão".


De acordo com os esclarecimentos de hoje do Centro Hospitalar, durante o dia, os exames e respetivos relatórios são assegurados pelos radiologistas do CHLC. "Além do cumprimento rigoroso de prazos, os profissionais que executam no exterior os relatórios de exames ficam disponíveis, por contrato, a prestar todos os esclarecimentos adicionais que forem considerados necessários pelos colegas prescritores", é ainda referido pelo hospital.


A Ordem dos Médicos dá como exemplo alternativo a este modelo o que o hospital Amadora-Sintra pratica. "No Fernando da Fonseca, que não é um hospital de fim de linha, têm radiologistas à chamada durante a noite, que se forem necessários estão no serviço em meia de hora". Alexandre Valentim Lourenço visitou o Hospital de São José na quarta feira à noite, para ouvir os médicos da urgência. Também o Sindicato Independente dos Médicos já publicou um comunicado sobre a medida do Centro Hospitalar de Lisboa Central, que considera poder "pôr em risco os doentes e potenciar a possibilidade de erro médico". "A partir da meia-noite, o Hospital de S. José, uma referência do SNS, não terá disponíveis médicos radiologistas, quer em presença física quer em prevenção. Os exames são executados por técnicos e avaliados via telemedicina por um médico, quem sabe se a centenas de quilómetros", sublinhou o sindicato dirigido por Jorge Roque da Cunha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.