Orçamento também faz reentrée no fim de agosto

Negociações retomadas a 22 de agosto com o PCP e a 23 com o BE. IRS e descongelamento de carreiras são temas mais difíceis

Praticamente paradas nos últimos meses, as negociações para o Orçamento do Estado para 2018 vão ser retomadas na última semana de agosto, com novo encontro entre as equipas de negociação de bloquistas e comunistas e o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos. À mesa voltarão os dois grandes temas que continuam em aberto e longe de encontrar um ponto de convergência - a revisão dos escalões de IRS e o descongelamento das carreiras na Função Pública. Mas não só. PCP e BE já fizeram saber que querem mais investimento na Saúde e na Educação, bem como o aumento das pensões de reforma.

A reunião entre o governo e o PCP está marcada para 22 de agosto, com o Bloco de Esquerda acontecerá um dia depois. Para já, não está agendado novo encontro entre os líderes dos dois partidos e o primeiro-ministro, depois de reuniões iniciais em abril e maio. Apesar de o processo de negociações para o orçamento do próximo ano ter tido início nessa altura, e de o governo pretender antecipar o calendário face ao ano passado - tal como o BE, que defendeu que as linhas gerais do orçamento deveriam ficar fechadas "bem antes" das autárquicas - o processo pouco avançou entretanto. A tragédia em Pedrógão Grande, em junho, seguida pelo roubo em Tancos, e a posterior remodelação de secretários de Estado por causa do Galpgate (que levou à substituição do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais), ocuparam toda a agenda do governo.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares já veio entretanto afirmar que o trabalho em relação aos escalões do IRS está mais avançado. Mas Pedro Nuno Santos também sublinhou, em entrevista recente à SIC Notícias, que as alterações que o governo pretende introduzir em matéria de progressividade no IRS serão feitas à luz do compromisso estabelecido no Programa de Estabilidade, que destina 200 milhões de euros a esta medida - o que já foi considerado manifestamente insuficiente por bloquistas e comunistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.