Orçamento mostra caranguejola sem tropeções. E sem plano B

Votação na especialidade da proposta de lei decorre no Parlamento. PS, BE e PCP têm votado quase sempre lado a lado

"A proposta de alteração foi aprovada com os votos favoráveis do PS, BE e PCP, a abstenção do PSD e os votos contra do CDS." Tem sido quase sempre assim, esta quinta-feira à tarde, a votação na especialidade do Orçamento do Estado para 2016, que decorre na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

Reunida na sala das sessões - já despida dos arranjos florais que ontem engalanaram o hemiciclo, na tomada de posse do Presidente da República -, a Comissão segue um guião de votações extenso (são mais de 230 páginas), onde não tem havido tropeções substantivos no funcionamento da chamada "geringonça", a imagem crítica com que PSD e CDS têm mimado a maioria parlamentar de esquerda.

Como antecipado, na discussão inicial e votação na generalidade, há uma caranguejola mais sólida do que muitos antecipavam. À direita, o PSD mantém-se fiel ao anúncio de Passos Coelho: a bancada laranja abstém-se em todas as propostas de alterações. Já o grupo parlamentar centrista vota contra.

Pela manhã, na abertura dos trabalhos, ainda na parte da discussão, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos acusou os sociais-democratas de não virem a jogo. "Este é o momento para cada grupo parlamentar dizer aquilo com o que concorda e com que não concorda", notando que "até à votação na generalidade, o orçamento é um documento que pode ser alterado".

Pedro Nuno Santos deixou então a crítica à bancada laranja. "O PSD decidiu não vir a debate." E logo atirou: "É tão digno governar como estar na oposição." Mas, insistiu, "o PSD ainda não assumiu essa posição e prefere discutir medidas que não existem e que - a existirem - existirão quando forem necessárias". Ou seja, sintetizou o secretário de Estado, o PSD "votará contra aquilo com que não concorda, votará contra medidas iguais às que tinha proposto e votará contra compromissos internacionais assumidos também pelo PSD".

Do lado da bancada social-democrata, a resposta surgiu pela voz de Leitão Amaro que acusou o Governo de António Costa de estar a "negociar medidas adicionais nas costas dos portugueses". E referindo-se ao BE e PCP, questionou: "O que diriam as esquerdas se qualquer outro governo falhasse nesta mínima transparência", defendendo que "os portugueses têm o direito de saber que medidas o Governo está a negociar" com Bruxelas.

Pedro Nuno Santos replicaria o que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças têm dito: só haverá plano B quando for necessário.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.