Orçamento da Câmara do Porto cresce 60 milhões de euros

A revisão do orçamento inicial, de 207,2 milhões de euros, foi aprovada com uma votação

A Assembleia Municipal do Porto aprovou segunda-feira, com 30 votos a favor, seis contra e nove abstenções, uma revisão orçamental que faz aumentar o orçamento deste ano da Câmara de 207,2 milhões de euros para 267,4 milhões.

A CDU manifestou-se contra esta revisão, referiu que "o acréscimo de investimento é de apenas 13,7 milhões" e concluiu que houve "falta de coragem" para enfrentar os problemas da cidade.

O PSD disse que a "revisão orçamental pouco acrescenta" ao atual orçamento, concordou com a CDU no que respeita ao investimento" e considerou positivo que se continue com a "reabilitação das escolas do Porto".

O social-democrata Luís Artur reafirmou que "a Câmara tem capacidade financeira para baixar o IMI de 2016 no próximo orçamento".

A revisão orçamental decorre da "inscrição do saldo de gerência de 2015", que atingiu 49, 2 milhões de euros, e dos 28, 7 milhões recebidos ao abrigo do chamado Acordo do Porto que a autarquia assinou em julho do ano passado com o Estado.

Esses 28,7 milhões, segundo anunciou a Câmara, serão usados para abater a dívida, que assim descerá para cerca de 50 milhões de euros.

A revisão também tem em conta que receita gerada pelo IMI e o IUC (Imposto Único de Circulação) está aquém do que foi orçamentado.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.