O navio até "mexeu um pouco", mas vai passar mais uma noite encalhado

Operações para remover embarcação encalhada no Bugio suspensas

As operações para retirar o navio encalhado junto ao Bugio foram hoje suspensas, não tendo sido possível retirar o cargueiro, disse o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional, adiantando que os trabalhos vão ser retomados durante a madrugada.

"A situação não teve evolução. O navio mexeu um pouco com os trabalhos efetuados pelos dois rebocadores, mas continua encalhado", disse à Lusa o comandante Fernando Pereira da Fonseca.

De acordo com o porta-voz da Autoridade Marítima, vão estar dois rebocadores a trabalhar durante o próximo período de preia-mar, que vai ocorrer na madrugada de quinta-feira, entre as 06:00 e as 08:00.

"Estavam dois rebocadoresa com o cabo passado, era algo que se queria manter porque colocar um cabo são quase duas horas de trabalho, mas um dos rebocadores teve que abandonar o local, por não se sentir confortável naquela posição", afirmou.

O comandante Fernando Pereira da Fonseca explicou que um dos problemas é a distância a que os reboques são obrigados a operar, cerca de 700 metros do navio.

"Pelas 04:00, vão passar de novo o cabo e vão tentar mexer o navio depois no período de preia-mar. A tripulação continua a bordo, está bem e a ser monitorizada", explicou.

O navio "Betanzos", com bandeira espanhola, está encalhado desde as 01:00 de terça-feira junto ao Bugio, na foz do rio Tejo, ao largo de Lisboa, com 10 tripulantes a bordo, que estão bem de saúde.

O navio tinha saído do terminal do Beato, em Lisboa, rumo a Casablanca, Marrocos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.