Ainda não é hoje que retiram navio encalhado no Bugio

Operações foram suspensas e deverão ser retomadas na madrugada desta quarta-feira

As operações para retirar o navio encalhado junto ao Bugio foram suspensas ao fim da tarde, disse à Lusa o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional, explicando que os trabalhos serão retomados durante a madrugada de quarta-feira.

"Os cabos continuam passados e os rebocadores no local, mas deixaram de fazer força devido à descida da maré. As operações foram suspensas e vão ser retomadas cerca das 05:00", disse à Lusa o comandante Fernando Pereira da Fonseca, porta voz da Autoridade Marítima Nacional.

Segundo explicou aquele responsável, é necessário esperar por nova subida da maré para tentar retirar do local o navio, que tem 118 metros de comprimento.

Uma primeira tentativa para rebocar o navio foi efetuada por volta das 18:20, no pico da maré, mas a âncora, presa no fundo, dificultou as operações, apesar de o navio já ter recuperado energia e propulsão.

O navio "Betanzos", com bandeira espanhola, está encalhado desde as 01:00 de hoje junto ao Bugio, na foz do rio Tejo, ao largo de Lisboa, com 10 tripulantes a bordo, que estão bem de saúde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.