Operação Marquês ligada aos Papéis do Panamá

Advogados de Sócrates desmentiram logo no início da madrugada qualquer envolvimento do ex-primeiro com offshores

Investigação do Expresso/TVI aponta para uma ligação entre o "saco azul" do GES no Panamá e a investigação do Ministério Público ao caso Sócrates

As transferências bancárias na mira da investigação do chamado "caso Sócrates", da Operação Marquês, foram feitas a partir da Espírito Santo Enterprises, através de offshores. A revelação feita pelo semanário Expresso este sábado parte da investigação jornalística dos Papéis do Panamá.

Segundo o Expresso, em causa estão pagamentos de 12,5 milhões de euros. Na Operação Marquês, o Ministério Público investiga o circuito do dinheiro que foi parar às contas na Suíça de Carlos Santos Silva, o amigo de José Sócrates também arguido no processo. Os investigadores acreditam que esse dinheiro se destinava a pagar "luvas" ao ex-primeiro-ministro como contrapartida de decisões, designadamente para a aprovação da nova fase de desenvolvimento do empreendimento de Vale do Lobo, no Algarve.

O "trânsito" do dinheiro, ainda segundo o Expresso, passa por Hélder Bataglia, empresário luso-angolano presidente e fundador da empresa Escom.

Na Operação Marquês, como o DN noticiou, o Ministério Público enviou para Angola uma carta rogatória para constituir arguido o empresário. E segundo o Observador, nessa carta solicita-se que no interrogatório a Bataglia se esclareça a origem dos referidos 12,5 milhões de euros.

Já no início da madrugada deste sábado, a defesa de José Sócrates reagiu à manchete do Expresso, afirmando em comunicado que as suspeitas do envolvimento do antigo governante com offshores do Panamá são "infundadas, abusivas e caluniosas".

"O Engenheiro José Sócrates não tem, nem nunca teve, diretamente ou indiretamente, designadamente através de offshores, qualquer relação negocial com o Senhor Hélder Bataglia", escrevem os advogados de Sócrates.

A existência do "saco azul" do Grupo Espírito Santo em offshores tinha sido avançada pelo semanário na semana passada, sem que no entanto se fizesse qualquer relação com a Operação Marquês.

Já esta sexta-feira, a TVI - que junto com o Expresso faz parte do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação que investiga os Papéis do Panamá - dá notícia de que o "patrão" do BES, Ricardo Salgado, tinha contas offshore nas Ilhas Caimão e no Panamá no valor de 37 milhões de euros. Contas estas que, segundo a mesma fonte, Salgado repatriou desde 2005, mas apenas parcialmente.

Quem também se vê envolvido no processo Papéis do Panamá é João Rendeiro, ex-presidente do Banco Privado Português, que segundo a investigação adquiriu parte da sua moradia na Quinta Patiño através de uma offshore criada pela Mossack Fonseca.

Relacionadas

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub