Operação Lex. A corrupção "não é a praia" de alguns dos advogados

Entre os advogados dos arguidos está António Pinto Pereira, comentador televisivo. Paulo Graça é presidente do conselho de deontologia de Lisboa da OA e Luís Graça, sócio da firma GG, já tem experiência em crimes económicos

Alguns dos advogados dos cinco arguidos que estiveram detidos na Operação Lex (e estão desde sábado sujeitos apenas a Termo de Identidade e Residência e proibição de contactos) estrearam-se no crime económico-financeiro com este mega processo de corrupção, mediático e inédito, ao envolver juízes da Relação como arguidos e peças chave - Rui Rangel e Fátima Galante.

O advogado Manuel Teixeira, de 55 anos, com 32 anos de carreira, assume estar em terreno pouco confortável: "A corrupção não é a minha praia, a minha área de trabalho preferencial". Representa Bernardo Santos Martins, de 27 anos, filho de outro arguido que também esteve detido antes do interrogatório, o advogado José Santos Martins. Bernardo - que estudou Direito, como o pai, mas não concluiu o curso - , é suspeito de ter disponibilizado as suas contas bancárias para transferências de alegados subornos para o juiz Rui Rangel. "Nos últimos anos é o processo mais mediático que tenho",afirma Manuel Teixeira. Na área criminal, o advogado tem-se dedicado mais "a processos de fraude fiscal e abuso de confiança".

Mais habituado aos media está António Pinto Pereira, 53 anos, comentador televisivo e especialista em Direito Europeu. Representa Rita Figueira, jurista de 39 anos e ex-companheira de Rangel, suspeita de branqueamento de capitais. Pinto Pereira foi advogado no processo Casa Pia, onde representou a instituição, e assegurou a defesa de um dos suspeitos por crimes de corrupção com contratos de reequipamento da Marinha, em 2006. O DN contactou-o ontem várias vezes mas nunca atendeu.

A Operação Lex, que tem 13 arguidos - entre eles os cinco que estiveram detidos desde terça-feira até sexta para primeiro interrogatório judicial no Supremo Tribunal de Justiça e aplicação de medidas de coação - é um processo relacionado com os crimes de branqueamento de capitais, fraude fiscal, tráfico de influências e corrupção/recebimento indevido de vantagens. A figura chave do inquérito é o desembargador da Relação de Lisboa, Rui Rangel, suspeito de influenciar e tomar decisões judiciais numa alegada rede de favores que se estende a figuras como José Veiga ou Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica (também constituido arguido no processo). Rangel e Fátima Galante vão ser ouvidos no Supremo nos próximos dias 8 e 9. Estão suspensos de funções.

Da corrupção desportiva à Lex

Paulo Graça, de 53 anos, presidente do conselho de deontologia da distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, defende o oficial de justiça Octávio Correia, da Relação de Lisboa, suspeito de viciar o sorteio dos processos naquele tribunal superior a favor de Rangel. Com quase 30 anos de carreira, Paulo Graça admite "nunca ter trabalhado antes na corrupção económica". "Estou como advogado no processo Jogo Duplo, onde represento o central do Oriental André Almeida". Também esse é um mega processo com 27 arguidos, suspeitos de viciação de resultados no futebol. Paulo Graça adiantou que o seu cliente ainda está em funções na Relação mas que "é provável que venha a ser alvo de processo disciplinar pelo Conselho dos Oficiais de Justiça".

Outra peça importante no caso, suspeito de organizar a alegada rede de corrupção em torno do juiz é o advogado José Santos Martins, pai de Bernardo Martins, suspeito de branqueamento de capitais. O seu advogado é Luís Carreira Graça, de 53 anos, sócio na firma GG e com uma carreira de 29 anos em direito civil e direito criminal . "Não é o primeiro processo em que trabalho por crimes como corrupção e branqueamento de capitais, já tive outros", adiantou o advogado. Luís Graça escusou-se a confirmar se foi o seu cliente o arguido que ficou sujeito ao pagamento de uma caução de 25.000 euros na sexta-feira à noite. A um dos dois arguidos advogados que estavam detidos, Santos Martins e Jorge Barroso, foi aplicada essa caução, como referiu a Procuradoria-Geral da República numa nota emitida na madrugada de sábado, sem identificar qual deles foi.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.