Olha como é, a Rua do Carmo antes do Natal

Portugueses à mistura com espanhóis e franceses, muitos carrinhos de bebé, sacos de compras e lojas com promoções a abarrotar de gente. O frenesim do Chiado exige boa forma

Uma mancha quase indistinta de pessoas, centenas e centenas delas, a subir e a descer as ruas Garrett e do Carmo, no Chiado, em Lisboa. Era esta a visão que se tinha ontem, a meio da tarde, no coração do bairro mais elegante da capital, num domingo em que todos os carrinhos de bebé pareciam ter saído à rua. Famílias a passear e a "bater loja" sem comprar nada, outras nas compras de Natal, muitos espanhóis e alguns franceses a admirar os edifícios de Siza Vieira, condutores de "tuk tuk" à espera dos turistas, uma tuna académica perdida no meio da multidão e pessoas com gelados e cartuchos de castanhas assadas na mão. Um enorme bruaá, em suma.

Os lojistas do Chiado admitiram ontem ao DN um afluxo extraordinário neste fim-de-semana prolongado, que se estende até ao feriado de hoje, mas ainda sem um reflexo direto das compras de Natal nas receitas.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".