OE2019. O embate segue dentro de momentos

No primeiro encontro entre BE e governo falou-se do atual momento político e de macroeconomia. Reuniões com o PCP e PEV ainda não estão marcadas

Foram cerca de duas horas e meia de reunião, ainda genérica, sobre o atual momento político e o quadro macroeconómico. António Costa e Catarina Martins deram ontem o pontapé de saída nas negociações do Orçamento do Estado para 2019. Ao que o DN apurou, o encontro, que decorreu nas instalações provisórias do primeiro-ministro, no Terreiro do Paço, serviu para Mário Centeno apresentar os dados mais recentes sobre o quadro macroeconómico e para governo e BE fazerem um ponto da situação política e abordarem o próximo ciclo, agora que a legislatura está prestes a entrar na reta final. O caderno de encargos dos bloquistas fica agora para as reuniões setoriais - a primeira fase das conversações vai prolongar-se até ao final de julho, sendo a discussão do OE depois retomada em setembro.

Pelo lado do governo, a reunião contou com a presença do primeiro-ministro, do ministro das Finanças, Mário Centeno, e do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos. Pelo BE, e além de Catarina Martins, estiveram presentes o líder parlamentar, Pedro Filipe Soares, e os deputados e dirigentes do partido Mariana Mortágua e Jorge Costa. Ao contrário do que aconteceu no ano passado, o ministro do Trabalho, José Vieira da Silva, não esteve presente na reunião inaugural das negociações. As alterações ao Código Laboral são, nesta altura, um dos dossiers mais complicados entre os partidos que sustentam o governo.

À saída do encontro, a líder bloquista foi lacónica nas declarações: "Esta foi uma primeira reunião de negociação. Como tenho dito todos os anos, as negociações fazem-se à mesa".

Lançadas as conversações com o BE, faltam agora PCP e PEV - os encontros com o executivo não estão ainda agendados. No caso de Os Verdes, e de acordo com fonte oficial, a reunião já não deverá decorrer esta semana, por impossibilidade de agenda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.