UGT quer esclarecimentos sobre descongelamento das carreiras

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, considerou hoje que o Governo deve prestar esclarecimentos aos sindicatos sobre o processo de descongelamento de progressões nas diversas carreiras da administração pública.

"Em 2016 foram revertidos os cortes salariais, vão terminar algumas situações, [...] mas para 2018 as pessoas têm necessidade de perceber que, se desde 2010 não há descongelamento de progressões nas carreiras, o que é que estamos a aguardar para 2018?", disse o responsável.

Carlos Silva, que falava aos jornalistas, na Guarda, à margem da sessão de encerramento do III Congresso da UGT local, disse que o Governo continua a insistir que tem "necessidade de fazer constrangimentos orçamentais, tem um problema de execução", mas "foram criadas grandes expectativas".

Em sua opinião, o Governo, "de uma vez por todas, tem que explicar aos sindicatos o que é que é e o que é que não é possível fazer".

"Nós temos consciência e sabemos, e o país também sabe, que há negociações no parlamento, com os partidos à esquerda, enfim, para se preparar a proposta de Orçamento [do Estado] que será apresentada no parlamento em outubro. E, portanto, ainda estão a decorrer negociações", observou.

Sobre o assunto, o secretário-geral da UGT revela uma preocupação: "Será que nas preocupações e cogitações do Governo, que está inclusivamente em sede de negociação com os outros partidos políticos à sua esquerda, há lugar para a entrada de propostas vindas dos parceiros sociais e dos sindicatos?".

Carlos Silva disse que esta é a "preocupação" da UGT, que quer garantir que o Governo se compromete com os sindicatos "a incluir no projeto de Orçamento para 2018 algumas das reivindicações".

O responsável referiu que a questão é transversal a todos os setores da administração pública.

No discurso proferido na sessão de encerramento do III Congresso da UGT da Guarda, Carlos Silva reafirmou a defesa da subida do salário mínimo para 585 euros em 2018.

"Se o país cresceu, se os últimos dados ontem [sexta-feira] publicados no INE [Instituto Nacional de Estatística] são de 3% do crescimento no último trimestre, porque é que nós não havemos de propor 585 euros? Até há quem proponha mais. Eu acho que nós estamos numa situação muito, muito ponderada", disse.

O secretário-geral da UGT considerou ainda que "para 2019 os 600 euros [de salário mínimo nacional] é um patamar mínimo".

"Nós achamos que há condições de ir para além dos 600 euros e vamos defendê-lo na Concertação Social, que é esse o nosso caminho excecional de intervenção", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.