UGT quer esclarecimentos sobre descongelamento das carreiras

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, considerou hoje que o Governo deve prestar esclarecimentos aos sindicatos sobre o processo de descongelamento de progressões nas diversas carreiras da administração pública.

"Em 2016 foram revertidos os cortes salariais, vão terminar algumas situações, [...] mas para 2018 as pessoas têm necessidade de perceber que, se desde 2010 não há descongelamento de progressões nas carreiras, o que é que estamos a aguardar para 2018?", disse o responsável.

Carlos Silva, que falava aos jornalistas, na Guarda, à margem da sessão de encerramento do III Congresso da UGT local, disse que o Governo continua a insistir que tem "necessidade de fazer constrangimentos orçamentais, tem um problema de execução", mas "foram criadas grandes expectativas".

Em sua opinião, o Governo, "de uma vez por todas, tem que explicar aos sindicatos o que é que é e o que é que não é possível fazer".

"Nós temos consciência e sabemos, e o país também sabe, que há negociações no parlamento, com os partidos à esquerda, enfim, para se preparar a proposta de Orçamento [do Estado] que será apresentada no parlamento em outubro. E, portanto, ainda estão a decorrer negociações", observou.

Sobre o assunto, o secretário-geral da UGT revela uma preocupação: "Será que nas preocupações e cogitações do Governo, que está inclusivamente em sede de negociação com os outros partidos políticos à sua esquerda, há lugar para a entrada de propostas vindas dos parceiros sociais e dos sindicatos?".

Carlos Silva disse que esta é a "preocupação" da UGT, que quer garantir que o Governo se compromete com os sindicatos "a incluir no projeto de Orçamento para 2018 algumas das reivindicações".

O responsável referiu que a questão é transversal a todos os setores da administração pública.

No discurso proferido na sessão de encerramento do III Congresso da UGT da Guarda, Carlos Silva reafirmou a defesa da subida do salário mínimo para 585 euros em 2018.

"Se o país cresceu, se os últimos dados ontem [sexta-feira] publicados no INE [Instituto Nacional de Estatística] são de 3% do crescimento no último trimestre, porque é que nós não havemos de propor 585 euros? Até há quem proponha mais. Eu acho que nós estamos numa situação muito, muito ponderada", disse.

O secretário-geral da UGT considerou ainda que "para 2019 os 600 euros [de salário mínimo nacional] é um patamar mínimo".

"Nós achamos que há condições de ir para além dos 600 euros e vamos defendê-lo na Concertação Social, que é esse o nosso caminho excecional de intervenção", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.