PSD quer reduzir IRC e acabar com "imposto Mortágua"

Estas são algumas das propostas preliminares dos sociais-democratas para o Orçamento do Estado de 2018

O PSD vai propor hoje, no parlamento, uma redução gradual do IRC até 17% em 2019, para ajudar a um "crescimento sustentado" e o fim do adicional do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), o "imposto Mortágua".

Estas são algumas das propostas preliminares dos sociais-democratas para o Orçamento do Estado de 2018, a que a Lusa teve acesso, horas antes de serem discutidas numa reunião do grupo parlamentar, na Assembleia da República, em Lisboa.

O PSD quer "retomar o compromisso" de um IRC "mais competitivo", como forma de "restaurar a confiança dos investidores".

Por isso, propõe-se "reduzir gradualmente a taxa marginal do IRC até ao mínimo de 17%", baixando para 19% em 2018 e para 17% em 2019.

A taxa reduzida do IRC, na proposta dos sociais-democratas, deve ser alterada anualmente, em simultâneo com a taxa normal.

No capítulo dos incentivos à poupança e ao financiamento das Pequenas e Médias Empresas (PME), o PSD quer a eliminação do "imposto Mortágua", o adicional de IMI, para não penalizar mais empresas e famílias que "investiram poupanças não muito elevadas no imobiliário".

O adicional ao IMI é também conhecido por "imposto Mortágua", por ter sido anunciado pela deputada do BE Mariana Mortágua e não pelo Governo, na altura da discussão do Orçamento do Estado de 2017.

Com este adicional, os proprietários terão de pagar uma taxa de 0,7% sobre valores imobiliários que excedam os 600 mil euros e de 1% sobre imóveis que ultrapassem o valor de um milhão de euros.

É ainda proposta a redução gradual da taxa liberatória dos rendimentos prediais e dos rendimentos dos depósitos, valores imobiliários, títulos de dívida e outros investimentos de capital para 26,5% em 2018, 25% em 2019 e 23% em 2020 -- atualmente é de 28%.

No capitulo das correções a "erros grosseiros" do Governo no orçamento, o PSD pretende a alteração ao regime simplificado relativo à dedução de 25% dos trabalhadores independentes, com recibos verdes.

Pretende igualmente limitar o montante das cativações na administração pública, propondo uma 'norma travão' de 1,5% da despesa efetiva orçamentada, e reforçando os meios de transparência e controlo.

Pela proposta do PSD, o Governo ficaria obrigado a entregar no parlamento "um mapa com o detalhe numérico e o total das cativações iniciais", obrigando a Direção-Geral do Orçamento a incluir, mensalmente, na síntese de execução orçamental um mapa com as descativações realizadas", comparando com as cativações iniciais.

Os sociais-democratas pretendem ainda uma redução de 12 milhões de euros na despesa dos gabinetes dos membros do Governo, colocando-a ao nível dos anos de 2011-2015, quando PSD e CDS-PP estiveram no poder.

Nas propostas de alteração ao Orçamento do Estado, o PSD propõe-se "combater a precariedade na Administração Pública, obrigando à divulgação trimestral por todos os organismos da administração pública, da listagem de todos os trabalhadores sem vínculo definitivo".

O prazo para a entrega de propostas de alteração ao OE2018, votado na generalidade pelo PS, PCP, BE e PEV, termina na sexta-feira e o debate na especialidade está previsto para a próxima semana, de 22 a 24 de novembro.

A votação final global do orçamento está agendada para 27 de novembro.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.