Pedro Nuno Santos promete avanços, mas avisa que têm que ser sustentáveis

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares não quis adiantar valores, por exemplo, do eventual alívio fiscal

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares assegurou hoje a inclusão de avanços no Orçamento do Estado para 2018, mas avisou que têm de ser sustentáveis, considerando que o Governo e os partidos parceiros ganharam confiança uns nos outros.

Em declarações aos jornalistas depois de ter assistido a um painel da rentrée do BE, em Lisboa, Pedro Nuno Santos admitiu que o Governo português "gostaria de fazer muito mais do que aquilo" que fará no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), mas a verdade é que têm restrições.

"Não percamos de vista: há avanços que nós queremos incluir neste orçamento, não queremos que esses avanços ponham em causa o programa que está a ser implementado em Portugal e isso é não incumprirmos as restrições orçamentais que nós enfrentamos", enfatizou o secretário de Estado responsável pelas negociações do OE2018 com os partidos que parlamentarmente apoiam o Governo socialista.

Por isso, Pedro Nuno Santos explica que "esse avanço" em termos orçamentais tem que ser feito com sustentabilidade e com responsabilidade, não adiantando valores em termos, por exemplo, do alívio fiscal.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares - que se sentou ao lado da coordenadora do BE, Catarina Martins, a assistir ao painel - considera que a relação entre o Governo socialista e PCP, BE e PEV "só é mais fácil hoje do que era em 2015" porque hoje as partes envolvidas sabem "trabalhar em conjunto".

"Ganhámos confiança uns nos outros, temos dois anos de trabalho em conjunto e só por isso é mais fácil porque a negociação é sempre exigente, é sempre dura", admitiu

No entanto, na opinião de Pedro Nuno Santos, "ficou claro já nas primeiras reuniões para o orçamento" que há vontade de todos em conseguir "construir um bom orçamento, de o aprovar".

"O BE, o PCP, o PEV são três partidos exigentes na sua relação com o PS, exigentes, reivindicativos, duros na negociação, mas esse é um trabalho que fazemos desde o início e que temos feito com sucesso", referiu.

O governante destacou o trabalho que está a ser feito "em conjunto" e que é "muito importante no país", onde "finalmente as pessoas têm a esperança e até a certeza de que é possível viver melhor".

"O BE é um partido não só muito importante na democracia, mas também muito importante desta maioria que nós hoje temos em Portugal e eu tinha gosto em estar aqui presente e assistir a um dos painéis com um debate muito importante", justificou.

O Fórum Socialismo não é uma novidade para Pedro Nuno Santos, que em 2012, bem antes das funções governativas e então como deputado do PS, foi orador na abertura daquela iniciativa bloquista.

Na altura em que Portugal estava sob intervenção externa, o socialista defendeu que o país deveria negociar a reestruturação da dívida com a 'troika', afirmando então que toda a gente, mesmo na direita, o defendia, mas não usava a palavra renegociação.

Já como secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, esta não foi a primeira vez que esteve presente nas 'rentrées' políticas dos partidos de esquerda que apoiam parlamentarmente o Governo socialista tendo estado, por exemplo, o ano passado na 40.ª Festa do Avante!, onde afirmou que se encontrava a passear "com muito prazer" e elogiou o "exigente" PCP, "grande partido da democracia portuguesa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)