"Não nos meçam pela vossa bitola", pede Catarina Martins a PSD e CDS-PP

Numa referência às críticas da direita ao OE2018, Catarina Martins considerou ser "grave" que PSD e CDS-PP digam que este orçamento "responde a clientelas da esquerda"

A coordenadora bloquista considerou hoje "grave" o argumento da direita de que o Orçamento do Estado para 2018 serve "clientelas de esquerda", com o primeiro-ministro a associar-se às críticas, garantido que governa "para todos".

No debate da generalidade do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) no plenário da Assembleia da República, Catarina Martins deixou um pedido aos deputados do PSD e CDS-PP: "não nos meçam pela vossa bitola, não nos confundam".

Numa referência às críticas da direita ao OE2018, Catarina Martins considerou ser "grave" que PSD e CDS-PP digam que este orçamento "responde a clientelas da esquerda".

"A mesma direita que baixou impostos sobre as maiores empresas do país, que fez negócios da China na energia, vistos Gold, chama servir clientelas a recuperar salários e pensões, chama clientelas a quem trabalha ou trabalhou toda uma vida", condenou.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, foi perentório: "não governamos para clientelas, governamos para o conjunto dos trabalhadores".

"Não governamos para os funcionários públicos, desconhecendo o que é preciso fazer no setor privado. Nós governamos para todos, independentemente da geração ou da profissão", assegurou.

Catarina Martins pediu ainda a António Costa uma "garantia dupla": que em 2017 o investimento e a despesa que estavam no orçamento sejam efetivamente executados e que o OE2018 tenha investimento que é mesmo para ser executado.

"No momento em que o Governo tem que responder pela tragédia dos fogos e pela responsabilidade de reconstruir o país é fundamental" esta garantia, concretizou.

Para a líder do BE, o "Governo tem que responder pelo investimento público e pelo funcionamento dos serviços públicos".

"O Governo tem executado menos do que é orçamentado para atingir metas de défice ainda mais baixas do que aquelas que estão acordadas com Bruxelas. Todos queremos contas públicas certas, mas reduzir o défice criando novos défices porque se fragilizam funções essenciais do Estado é um caminho perigoso", condenou.

Na intervenção, Catarina Martins recordou também as críticas feitas por PSD e CDS-PP de ausência de reformas neste OE2018.

"Esquecem-se PSD e CDS que de facto reforma no seu léxico significa apenas cortes nos salários e pensões. A direita pode torturar os números à vontade, mas o que estes dois comprovam é que é recuperando salários e pensões que a economia cresce e que se cria emprego", sublinhou, defendendo que se deixe "a direita entregue às suas crises" para passar para "questões complicadas deste OE2018".

Na resposta à intervenção da líder do BE, o primeiro-ministro evidenciou que Catarina Martins "chamou à atenção para a duplicidade do discurso da direita".

"Sempre que apresentamos uma proposta que beneficia a função pública, a direita diz que estamos a trabalhar para a nossa clientela. Cada vez que há uma categoria da função pública que protesta, a direita corre imediatamente a apoiar", apontou.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.