Assunção Cristas: Governo apresentou orçamento de "vistas muito curtas"

A líder centrista intervinha na Assembleia da República, na discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2018

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu hoje que o Governo apresentou um "orçamento desigual", de "vistas muito curtas" e "pouco transparente", que carrega nos impostos indiretos e "cativações em longa escala".

"De novo assente numa conjuntura externa muito favorável, uma conjuntura que praticamente nenhum primeiro-ministro teve, é um orçamento desigual, é um orçamento de vistas muito curtas e é um orçamento pouco transparente", defendeu Assunção Cristas.

A líder centrista intervinha na Assembleia da República, na discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2018, fazendo perguntas ao primeiro-ministro, a quem desafiou a aprovar um regime fiscal para o interior, a excluir as cativações das verbas para a formação profissional e deixar cair as mudanças ao regime simplificado de IRS.

É um Orçamento pouco transparente porque carrega nos impostos indiretos

"Este é o Orçamento dos que desconfiam das empresas, que não toleram empreendedores, dos que não aceitam que alguém possa subir na vida sem precisar do Estado", acusou Assunção Cristas.

Pelo contrário, segundo a presidente do CDS, este Orçamento é "dos habilidosos, dos truques, dos que olham o país como um tabuleiro de jogo".

"É um Orçamento pouco transparente porque carrega nos impostos indiretos e porque a sua execução continuará a assentar nas cativações de larga escala, cortes cegos de despesa que afetam serviços essenciais, da saúde à educação, da formação profissional aos transportes públicos, que no final de contas são a nova austeridade", argumentou.

Para a presidente do CDS, sob uma "capa de dar tudo a todos", o Orçamento, afinal, "viola o princípio constitucional da igualdade" nas alterações ao regime simplificado de IRS, que afetam aqueles que "fizeram uma opção de trabalhar por conta própria, que criaram o seu posto de trabalho".

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, reiterou que "90% dos titulares vão ser beneficiados ou não será negativamente afetado" e admitiu correções, concretamente, na situação de pequenos agricultores.

Segundo Assunção Cristas, o OE também é desigual para as famílias com filhos, insistindo que o regime mais justo é o do quociente familiar, e também considerou que "é injusto e inadmissível" que o desagravamento fiscal não atinja todos os escalões do IRS.

A presidente do CDS defendeu ainda que o Orçamento "tem muito pouco ou quase nada para as empresas, mantém a rutura do consenso alcançado de diminuição progressiva da taxa do IRC, não contém medidas destinadas a promover o investimento, a incentivar a capitalização das empresas ou a ajudar a qualificação profissional".

"É um Orçamento desigual porque esquece o território e a coesão territorial e eu lembro que este é já um orçamento pós-Pedrogão, que deveria assumir respostas que pura e simplesmente não estão lá", afirmou, numa referência ao incêndio de junho em que morreram 64 pessoas.

Na resposta ao desafio de Assunção Cristas para um regime fiscal para o interior, António Costa disse que estará disponível "se não for revogar outra vez os benefícios fiscais para empresas no interior" que o Governo PSD/CDS-PP revogou e o atual executivo reintroduziu.

Face à proposta do CDS de uma unidade de missão para a reconstrução dos territórios ardidos, o chefe de Governo respondeu que a unidade missão para a revitalização do território destruído já existe e já está instalada em Pedrogão.

"Não vamos duplicar estruturas da administração pública", vincou.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.