Receita fiscal sobe 4,4% para 22,3 mil ME até julho

"Até julho de 2017, a receita fiscal líquida do subsetor Estado registou um crescimento de 950,2 milhões de euros", informou a Direção-Geral do Orçamento

O Estado arrecadou 22.344,3 milhões de euros em impostos até julho, mais 950,2 milhões de euros (4,4%) do que no período homólogo do ano passado, invertendo a tendência recente, segundo a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

"Até julho de 2017, a receita fiscal líquida do subsetor Estado registou um crescimento de 950,2 milhões de euros (4,4%) face ao período homólogo, invertendo a trajetória dos meses recentes, em virtude da diminuição do desfasamento temporal dos reembolsos de IRS antecipados para os meses de abril a junho", realçou a DGO na síntese da execução orçamental divulgada esta sexta-feira.

"Em termos homólogos, até julho de 2017, a taxa de variação da receita situa-se acima da prevista para o conjunto do ano (3%), destacando-se o crescimento do IRC (18,8%) e do IVA (4,9%)", acrescentou a entidade.

A receita líquida de IRC praticamente mantém o crescimento verificado no mês anterior, em resultado do aumento homólogo dos pagamentos por conta no montante de 202 milhões de euros (18,5%) e de 38 milhões de euros nos pagamentos adicionais por conta (25,9%), o que, segundo a DGO, denota a consistência da sua evolução.

A DGO destaca também que a Lei do Orçamento do Estado (OE) para 2017 tem implícita uma variação de apenas 0,9%.

Já o crescimento dos impostos indiretos foi essencialmente justificado pelo comportamento favorável de todos os impostos com exceção do Imposto sobre o Tabaco (IT), destacando-se a receita do IVA (4,9%), do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) (3,7%), do Imposto sobre Veículos (ISV) (17%) e do Imposto do Selo (4,5%), refere a entidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.