Governo gastou cerca de um terço da "almofada financeira" até novembro

Foram usados 332,7 milhões de euros dos 968,6 milhões nos primeiros 11 meses do ano

O Governo gastou até novembro cerca de um terço da 'almofada financeira' de quase 970 milhões de euros definida no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), segundo contas da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO).

Na nota sobre a execução orçamental em contas públicas até novembro a que a agência Lusa teve hoje acesso, a UTAO indica que dos 968,6 milhões de euros da almofada financeira de segurança estimada para 2017, o Governo usou 332,7 milhões de euros nos 11 meses do ano (cerca de 34,4% do total).

Isto significa que, da almofada total dos 968,6 milhões, ainda estavam disponíveis, em dezembro, cerca de 635,9 milhões de euros, pouco menos de dois terços do total.

Esta 'almofada financeira' é constituída por 535 milhões da dotação provisional e mais 433,6 milhões da reserva orçamental, sendo que entre janeiro e novembro do ano passado foram utilizados 134 milhões de euros e 198,7 milhões de euros da dotação provisional e da reserva orçamental, respetivamente.

No ano passado, o Governo inscreveu inicialmente 501,7 milhões na dotação provisional e mais 428,6 milhões na reserva orçamental, o que totalizava uma 'almofada' de 930,8 milhões de euros.

Os técnicos que apoiam o parlamento indicam que, até novembro do ano passado, "a dotação provisional reafetada foi de 16 milhões de euros e a reserva orçamental utilizada foi de 150,9 milhões de euros".

Isto significa que, até novembro de 2016, o Governo utilizou 166,9 milhões de euros destas duas verbas, o que corresponde a quase 18% do montante global inicialmente afeto à 'almofada financeira'.

Assim, o executivo reafetou até novembro do ano passado uma maior fatia da 'almofada financeira' do que no mesmo período de 2016.

A designada 'almofada financeira' corresponde ao montante que os governos incluem nos orçamentos de cada ano para cobrir eventuais despesas excecionais não previstas e é composta pela dotação orçamental e pela reserva orçamental.

A dotação provisional é inscrita num capítulo específico do orçamento de despesa do Ministério das Finanças e constitui uma provisão para fazer face a despesas não previstas e inadiáveis, já a reserva orçamental constitui uma cativação de um montante específico nos programas orçamentais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.