OE 2018. Costa já reuniu com BE. PCP abre negociações para a semana

Escalões do IRS e descongelamento das carreiras na Função Pública são os dois principais pontos do caderno de encargos que bloquistas apresentaram ao primeiro-ministro

António Costa e Catarina Martins reuniram há duas semanas, naquele que foi o pontapé de saída das negociações para o Orçamento do Estado do próximo ano. A revisão dos escalões do IRS e o descongelamento das carreiras na Função Pública foram os dois grandes temas que os bloquistas puseram em cima da mesa. Noutra frente, este encontro ainda não aconteceu - a reunião entre o líder do executivo e o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, está marcada para a próxima semana

O encontro entre o "estado maior" do governo e a direção do BE aconteceu a 26 de abril, depois do debate quinzenal no parlamento. Pelo governo, e além do primeiro-ministro, estiveram presentes o ministro das Finanças, Mário Centeno, e o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, além do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos. A presença dos dois ministros está longe de ser casual face ao caderno de encargos dos bloquistas, já expectável face aos acordos estabelecidos no início da legislatura - IRS e descongelamento das carreiras.

Ontem, em entrevista ao DN e TSF, o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, afirmou que o partido está a negociar o aumento dos escalões do IRS, com uma divergência já identificada: o governo prevê um valor de 200 milhões para esta medida (número que ficou inscrito no Programa de Estabilidade), que é considerado manifestamente insuficiente pelo BE.

O descongelamento das carreiras da função pública (congeladas desde 2010) promete ser outro ponto quente. António Costa já garantiu que as carreiras vão ser descongeladas no próximo ano (a medida está, aliás, no programa do governo), mas também avisou que a despesa "tem de ser controlada". A questão é que, embora a progressão na carreira esteja congelada, a avaliação de desempenho continuou a atribuir aos trabalhadores, ao longo destes anos, pontos que agora darão acesso a novas posições salariais. Ou seja, um descongelamento representará um aumento imediato e significativo dos custos do Estado com pessoal. A intenção do executivo passará, por isso, por alterar as regras da progressão. Mas este é um cenário que não tem o acolhimento dos bloquistas. Nem do PCP. Nesta matéria as conversas com os partidos que apoiam o governo vão decorrer em paralelo com negociações com os sindicatos - na última sexta-feira o executivo assinou com a FESAP e o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado um acordo precisamente para o início da discussão sobre a progressão nas carreiras (a concluir até junho).

Sendo as duas matérias mais complexas, estas estão longe de ser as únicas reivindicações do BE, que quer ver consagradas no orçamento do Estado do próximo ano as medidas que ficaram acordadas nos grupos de trabalho com o PS e o governo. Questões que serão tratadas setorialmente, com cada ministério, um processo que está agora a iniciar-se.

Já quanto ao PCP, a primeira reunião ao mais alto nível será na próxima semana. Com a certeza de que Costa vai voltar a ouvir falar de IRS e carreiras da Função Pública.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.