OE 2017. Ninguém vê uma crise política no horizonte 

O Presidente da República recebeu ontem os sete partidos parlamentares. PSD e CDS dramatizam situação económica

Foi a visão sobre a situação económica que ontem separou esquerda e direita - nas sete audiências que o Presidente da República manteve em Belém, a seu pedido, com os sete partidos parlamentares. Já sobre a perspetiva de uma crise política no médio prazo, revelou-se um certo consenso: ninguém a vê no horizonte, mesmo o PSD ou o CDS.

"Não vemos nenhum cenário de crise política no horizonte", disse Sofia Galvão - a vice-presidente do PSD que chefiou a delegação do partido (segundo um assessor de imprensa, Passos Coelho está doente). "Eu não vou estar a comentar um cenário que não está em cima da mesa", afirmou também a presidente do CDS, acrescentando: "Não depende de nós a manutenção ou não da atual solução e portanto não nos ocupamos do que não depende de nós."

À esquerda, as palavras foram também de empenhamento nas "posições conjuntas" que unem PS, BE, PCP e PEV - mas porventura com uma posição mais retraída por parte dos comunistas.

Pelo PS, a secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, que chefiou a delegação do seu partido - António Costa só se relaciona com o PR enquanto primeiro-ministro - afirmou que "não há à vista nenhuma questão de instabilidade política, nenhuma crise política" e "os acordos estão firmes e estão para durar".

Já Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, sublinhou que "o Presidente não tem nenhum motivo para intranquilidade", sendo que o BE "nunca lhe deu motivos para isso".

Segundo acrescentou, o acordo com o PS "tem estado a ser cumprido" e "existem condições em Portugal para se continuar a fazer este caminho". "Esperamos continuar o percurso que tem vindo a ser feito no próximo Orçamento do Estado", acrescentou - sem no entanto estabelecer uma posição final do seu partido quanto à hipótese, por exemplo, de o governo insistir mesmo na ideia de manter congeladas em 2017 as carreiras na Função Pública. Nesse dossiê, a líder e deputada bloquista sacudiu a pressão: "As negociações fazem-se à mesa e o BE negociará o Orçamento do Estado com o governo e com o PS" e o que é preciso é "determinação e cabeça fria", sendo o "cimento" do acordo com PS a política de reposição dos rendimentos (nos salários e nas pensões) cortados pela governação PSD/CDS, entre 2011 e 2015.

Até lá, acrescentou ainda Catarina Martins, o governo terá no BE "um aliado" em tudo o que implique combater a "chantagem" que a UE está a fazer sobre o país com a ameaça de sanções. Aliás, segundo sublinhou, a execução orçamental ontem revelada (ver pág. 14) até dá mais argumentos a António Costa para as "combater" em Bruxelas.

Jerónimo de Sousa foi, como é hábito, um pouco mais recuado. Disse que a "Posição Comum" que o PCP assinou com o PS tem sido "no essencial concretizada". Ou seja, "a nova situação política" encontrada à esquerda "permitiu avanços significativos na reposição de direitos, rendimentos" e "defesa dos serviços públicos", o que "tem um grande significado num quadro tão difícil no plano económico e social". Só que esses avanços têm por ora uma dimensão "insuficiente e limitada".

Portanto, em "tudo o que seja este caminho de prosseguir essa reposição e conquista de direitos, o PCP estará presente". Mas se houver "qualquer inversão deste caminho, reversão, voltar para trás, como o PSD atualmente defende e propõe, naturalmente não estaremos de acordo". Neste aspeto - e ao contrário do que fez Catarina Martins - Jerónimo salientou com clareza a posição do PCP sobre a possibilidade de não haver um aumento real de vencimentos na Função Pública: "Seria um mau caminho voltar a cortar salários ou congelá-los."

O tom de Jerónimo contrastou até com o do deputado José Luís Ferreira, que representou o PEV, partido coligado com os comunistas na CDU. ""Os Verdes" consideram que esta sessão legislativa foi muito produtiva, muito útil para os portugueses, porque representou o início da recuperação de rendimentos das famílias e a devolução de direitos perdidos com o anterior governo PSD/CDS", afirmou o deputado, para quem os acordos com o PS representam "uma segunda Constituição", havendo do PEV disponibilidade para "continuar esta caminhada" de "devolução de rendimentos e recuperação de direitos".

Entre a esquerda e a direita - inclusivamente na configuração do hemiciclo parlamentar - André Silva, do PAN, também sublinhou as virtualidades da estabilidade, pedindo "responsabilidade" a todos, tanto os da atual "solução governativa" como os da oposição.

À direita também houve sintonia - mas nas críticas à ação governativa. Tanto Sofia Galvão (PSD) como Assunção Cristas (CDS) falaram nos problemas da banca. E ambas salientaram uma visão pessimista sobre o investimento e o crescimento da economia. No caso do PSD, foi reforçado que nunca o PS poderá contar com ajuda se tiver dificuldades em fazer passar o OE 2017: "O PSD não é parte da solução em termos do próximo Orçamento do Estado."

Hoje o Presidente prosseguirá a sua ronda de contactos ouvindo parceiros sociais.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.