OE aprovado. Bancadas de esquerda aplaudiram de pé. Uma imagem histórica

O segundo dia de debate do orçamento do Estado terminou após sete horas e meia de discussão. Amanhã inicia-se o debate na especialidade

O orçamento foi aprovado, como era esperado, na generalidade, com PS, BE, PCP e PEV a votarem a favor. As bancadas de esquerda aplaudiram de pé. Uma imagem histórica! O deputado único do PAN absteve-se e as bancadas do PSD e CDS votaram contra.

Eduardo Cabrita encerrou o debate a notar que "este é o Orçamento da alternativa progressista e solidária ao extremismo de direita", que teria apresentado "um Orçamento igual aos últimos", como "prometido no Programa de Estabilidade pelo então Governo de direita".

O ministro adjunto antecipou que, com a aprovação na generalidade, "e em março em votação final global, ponderando as alterações e melhorias compatíveis com os objetivos definidos, permitirá" ao Governo estar "aqui em outubro a apresentar um Orçamento para 2017 ainda melhor". "Que consolide a mudança", salientou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.