Obras na Ponte 25 de Abril vão obrigar a cortes de trânsito em 2019

As interrupções vão acontecer sempre de madrugada, incidindo sobretudo nos fins de semana

As obras na Ponte 25 de Abril, com início no final de 2018 e a duração de dois anos, vão obrigar a cortes de trânsito em maio e outubro de 2019, segundo o presidente da Infraestruturas de Portugal (IP).

António Laranjo foi hoje ouvido na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, por requerimento oral do PS, sobre um estudo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) relativo ao estado de conservação da Ponte 25 de Abril (entre Lisboa e Almada, no distrito de Setúbal) e que aponta a necessidade de intervenções na infraestrutura.

"Estão definidos no contrato de empreitada, cujo concurso está a decorrer, quatro cortes totais de sentido de trânsito", disse António Laranjo.

Segundo o responsável, as interrupções vão acontecer sempre de madrugada, incidindo sobretudo nos fins de semana, de forma a "minimizar o impacto no tráfego da ponte".

No sentido norte-sul, o corte ocorre nos dias 18 e 19 de maio de 2019 (00:30-08:30) e em 13 e 28 de outubro.

Já no sentido contrário, sul-norte, as interrupções estão previstas para o fim de semana de 11 e 12 de maio, além de 12 e 19 de outubro.

O responsável explicou ainda que o tráfego ferroviário não sofrerá qualquer perturbação, já que os cortes de catenária vão ocorrer entre as 01:30 e as 05:00, altura em que não há circulação de comboios.

A Ponte 25 de abril vai ser alvo durante dois anos de trabalhos de manutenção, orçados em 18 milhões de euros, segundo a IP.

"Recentemente, dois relatórios [do Instituto de Soldadura e Qualidade e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil] indicaram a necessidade de realização de obras a curto prazo, confirmando a programação previamente definida pela Infraestruturas de Portugal. Face à urgência identificada nesses relatórios, o Ministério das Finanças aprovou, prontamente, as respetivas portarias de extensão de encargos", informou o Ministério das Finanças, num comunicado.

A lei do Orçamento do Estado para 2018, acrescentou, previa já os "montantes necessários" à intervenção na infraestrutura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.